Santos goleia pela Libertadores

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 25 de março de 2003 as 22:59, por: cdb

Em cinco jogos, o Santos venceu sua quarta partida na Taça Libertadores da América na noite desta terça-feira e se garantiu como líder do grupo 3 (13 pontos), sem a possibilidade de ser ultrapassado. Em Ciudad Del Este, no Paraguai, Robinho, Diego, Nenê e Oliveira foram os nomes do Peixe nos 4 x 1 sobre o 12 de Octubre.

A pouca torcida santista presente no estádio 3 de Febrero, na fronteira com Foz do Iguaçu, teve em um golaço de Robinho aos 2min de jogo a impressão de que o Alvinegro praiano daria show. Mas não foi bem assim.

O lance plástico começou com o meia Elano, que da lateral-direita cruzou a bola forte para o atacante, no lado oposto da área, dominar no peito, trazer para a perna esquerda e arrematar no canto do goleiro.

Depois disso, os erros de marcação que, segundo Emerson Leão são normais para um time que ainda busca sua melhor condição tática e física, quase ofereceram ao adversário uma reviravolta no placar.

Aliás, ofereceram, mas o 12 de Outubro não soube aproveitar. Sempre que chegava à meta santista, na primeira vez logo após sofrer o gol, com um arremate de intermediária, e depois aos 15min, com uma cabeçada certeira de Bareiro, esbarrava nas boas defesas de Fábio Costa.

O goleiro, inclusive, salvou o Santos mais uma vez, apesar do baixo nível do adversário. Após marcar, o Peixe insistia nos erros e não apresentava criatividade na armação das jogadas. A ampliação no placar surgiu apenas aos 37min, quando Robinho sofreu falta na entrada da área.

Diego pediu para bater, Ricardo Oliveira, o cobrador oficial, não retrucou e o meia acertou o ângulo direito de Derlis Gómez: 2 x 0.

Desesperado, já que só a vitória interessava, o 12 de Octubre partiu para o ataque na segunda etapa e quase complicou o Santos que, acomodado, acabou afrouxando ainda mais a marcação.

Sorte santista foi o ataque paraguaio não ter demonstrado um bom alvo, e Fábio Costa estar inspirado. Derlis Gómez, goleiro adversário, também esteve bem no segundo tempo. Aos 15min, não permitiu que Robinho fizesse seu segundo gol.

Cinco minutos depois, fez a mesma coisa. Após bom passe de Ricardo Oliveira, o camisa 7 ficou na cara de Gómez, mas o goleiro fez grande defesa e mandou a bola para fora.

Aos 22min, Fabiano puxou contra-ataque rápido e deixou Oliveira livre na ponta-direita. O atacante cruzou e Diego emendou para fora. À medida em que o 12 de Octubre se mandava para o ataque, oferecia sua retaguarda. E foi explorando isso que o Peixe chegou ao seu terceiro tento.

Nenê, que substituiu Robinho, fez jogada pela ponta-direita aos 33min, driblou dois zagueiros e na saída de Gómez colocou no canto: 3 x 0. E se o marcador foi aberto com um golaço brasileiro, ele seria fechado com um belo gol paraguaio não fosse Ricardo Oliveira.

As 38min, Avalos e Monzon tabelaram duas vezes na frente da zaga santista e o segundo, após dominar a bola no peito, encobriu Fábio Costa: 3 x 1. Mas, quatro minutos depois, Oliveira marcou seu quinto gol na Libertadores após puxar sozinho um contra-ataque, driblar a zaga e emendar para o gol: 4 x 1.

12 DE OCTUBRE 1 x 4 SANTOS

12 de Octubre
Derlis Gómez; Jorge Valdez (Monzon), Ignacio Rolón, Enzo Gorniak e Gustavo Cañete; Raúl Arviniagaldez, Richard Gómez, Walter Avalos e Derlis Martinez (Burgos); Tomás González e Fredy Bareiro
Técnico: Eduardo Daniel Raschle

Santos
Fábio Costa; Michel, André Luís, Alex e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (Fabiano) e Diego (Daniel); Robinho (Nenê) e Ricardo Oliveira
Técnico: Emerson Leão

Data: 25/3/2003 (Terça-feira)
Local: Estádio 3 de Febrero, em Ciudad Del Este, no Paraguai
Árbitro: Sergio Pezzota (Argentina)
Auxiliares: Claudio Martin e Jorge Rattalino (Argentina)
Cartões amarelos: André Luís, Elano, Alex (S); Rolón, Arviniagaldez, Bareiro (12)
Cartões vermelhos: Arviniagaldez (12)
Gols: Robinho, aos 2min, Diego, aos 37min do 1T, Nenê, aos 33min do 2T (S); Monzon, aos 38min do 2T (12), Ricardo Oliveira, aos 42min do 2T (S)