Sábado acontecerá a reunião de potências sobre o Iraque

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 8 de setembro de 2003 as 16:14, por: cdb

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Kofi Annan, disse nesta segunda-feira que espera se reunir no sábado, em Genebra, com os chanceleres dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança para discutir a proposta norte-americana que representaria o envio de mais tropas

Internacionais para o Iraque. “Ainda espero ter um encontro com os chanceleres em Genebra no sábado. Ainda há um telefonema que preciso fazer mais tarde para pôr tudo nos trilhos”, disse ele em entrevista coletiva.

O secretário-geral parecia estar se referindo ao ministro das Relações Exteriores da China, Tang Jiaxuan, que precisaria viajar mais. Os outros convidados seriam o secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, o chanceler russo Igor Ivanov, o britânico Jack Straw e o francês Dominique de Villepin. Todos os países são membros do Conselho de Segurança e têm poder de veto.

Annan afirmou que os Estados Unidos querem que mais países se envolvam no Iraque pós-guerra, enquanto outros governos deixaram claro que, para isso, querem mais poder de decisão.

– Conhecendo a posição das várias partes, acho que se eles se sentassem e discutissem franca e abertamente poderíamos encontrar uma solução – disse Annan.

Powell disse que está disposto a participar da reunião de Genebra com seus colegas da Grã-Bretanha, França, Rússia e China.

– Ele está pensando a respeito. Alguém já foi além de pensar a respeito? A verdade é que não. Mas o encontro de Genebra pode ser preparado com pouca antecedência – disse uma fonte do Departamento de Estado, pedindo anonimato.

Os Estados Unidos querem aprovar no Conselho de Segurança uma resolução que inclua a ONU no processo de preparar uma nova Constituição e convocar eleições no Iraque. Mas a maioria dos demais membros do Conselho quer que a ONU tenha um papel maior e mais definido.

França e Alemanha, que já se opuseram à guerra, agora querem um cronograma para o fim da ocupação – este é o maior entrave a um consenso. A Rússia está de acordo. Já os Estados Unidos dizem que o prazo deve ser determinado pelo Conselho de Governo do Iraque, nomeado pelos próprios norte-americanos.

A proposta dos EUA também prevê que a ONU autorizaria a criação de uma força multinacional, sob comando norte-americano, para controlar o Iraque. Com isso, Washington quer atrair reforços de países como Índia, Paquistão e Turquia, que se recusam a colaborar sem aval das Nações Unidas.

A proposta também destina ao organismo internacional uma certa influência na redação da Constituição, mas mesmo assim os Estados Unidos querem ter o controle final sobre o processo.

Para Washington, o ideal seria que a nova resolução fosse adotada antes de 23 de outubro, quando o presidente George W. Bush discursa na Assembléia Geral. Mas o embaixador alemão na ONU, Gunter Pleuger, disse que “ainda é cedo para avaliar quanto tempo vai levar (o debate) e quanto sucesso teremos”.