S.O.S Mata Atlântica luta pelo Rio Tietê

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 7 de novembro de 2003 as 10:46, por: cdb

O Projeto Tietê é o único programa de despoluição do país que tem o componente de participação da sociedade civil organizada no seu escopo técnico.

Os esforços do Núcleo Pró-Tietê, programa da Fundação SOS Mata Atlântica criado em 1991, no sentido de engajar a sociedade na despoluição do maior rio paulista envolvem, além do monitoramento e da educação ambiental, o incentivo à participação comunitária e a formação de lideranças ambientais, para que os mais diversos atores sociais acompanhem e participem das políticas públicas relacionadas ao rio, propondo ações para a bacia como um todo e um amplo programa de comunicação, eventos, campanhas e parcerias.

Dentro desse objetivo, a Fundação SOS Mata Atlântica reúne, no próximo dia 08 de novembro, sábado, no Parque do Ibirapuera, 1.500 dos 7.500 integrantes dos grupos de monitoramento de qualidade das águas que atuam nas bacias do Alto e Médio Tietê, entidades e instituições públicas ligadas a gestão de recursos hídricos no estado de São Paulo, para o primeiro encontro dos grupos de monitoramento que, desde setembro de 2002, integram o “Observando o Tietê”, um programa de educação ambiental, mobilização e acompanhamento do projeto de despoluição do maior rio paulista.

Com a mensagem “Reviva o Tietê”, o objetivo do evento é apresentar aos cidadãos o que vem sendo feito em prol da despoluição do rio Tietê e dos principais afluentes que integram a bacia hidrográfica, além das demais regiões que sofrem sua influência. Os representantes dos 280 grupos, entre estudantes, professores, ambientalistas, associações comunitárias, organizações não governamentais e gestores de águas, estarão distribuídos em estandes, na Marquise do Ibirapuera, expondo seus trabalhos e ações.

Ao final será possível ter um mosaico da qualidade das águas de rios e córregos das Bacias do Alto, Médio e Baixo Tietê.

Atividades

10hs. – Abertura da exposição dos grupos;

Das 10hs. às 12hs. – Apresentação de grupos de teatro, música, percussão, esquetes, dança, circo e fanfarra entre os estandes.

12hs. – Realização, em conjunto, da análise da qualidade das águas coletadas pelos grupos de monitoramento nos rios onde quinzenalmente fazem análises.

14hs – “Barulho das águas”, passeata pelo parque até o estacionamento do PRODAM.

14h30min. – Reunião dos grupos e convidados no “Circo das Águas”, montado especialmente para o evento na Praça da Paz, para a realização de conferência e balanço das atividades desenvolvidas.

16h30min. – Ato em prol das águas no lago do Ibirapuera.

17hs – Encerramento.

O Rio Tietê

O Rio Tietê nasce em Salesópolis, na Serra do Mar, a 840 metros de altitude e não consegue vencer os picos rochosos rumo ao litoral. Por isso, ao contrário da maioria dos rios que correm para o mar, segue para o interior e corta o estado de São Paulo de leste a oeste.

O Tietê atravessa a Região Metropolitana de São Paulo e percorre 1.100 quilômetros, até o município de Itapura, em sua foz no rio Paraná, na divisa com Mato Grosso do Sul. Banha 62 municípios ribeirinhos e seis sub-bacias hidrográficas: Alto Tietê, Sorocaba/Médio Tietê, Piracicaba/Capivari/Jundiaí, Tietê/Batalha, Tietê Jacaré e Baixo Tietê, em uma das regiões mais ricas do hemisfério sul.

Projeto Tietê

O Projeto Tietê está na segunda etapa de desenvolvimento e apresenta nesta fase a educação ambiental e a participação social como componentes oficiais do financiamento disponibilizado pelo BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento à Sabesp.

Criado em 1992, após o maior abaixo-assinado já realizado no país, previa levar a coleta de esgotos a 250 mil famílias e ampliar o atendimento à população urbana, nos municípios operados pela Sabesp de 63% em 92, para 83% em 99.

Até 1994 caminhou vagarosament . Somente em 95 o Governo redirecionou o projeto e renegociou o financiamento com o BID. A