RSF prepara protesto contra nova onda de censura na China

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 10 de agosto de 2001 as 11:10, por: cdb

A organização internacional de defesa da liberdade de imprensa Repórteres Sem Fronteiras, com sede em Paris, prepara um comunicado de protesto contra a decisão do governo chinês que anunciou, nesta sexta-feira, novas regras para o funcionamento de pequenos jornais e revistas no país.

A nova regulamentação proíbe a publicação de textos que espalhem rumores, revelem segredos de Estado ou contrariem o trabalho do governo ou do Partido Comunista chinês.

Os veículos que violarem as regras podem ser fechados. Pequenas publicações podem também ser absorvidas por outras ou reorganizadas.

O anúncio ocorre depois de vários casos de membros do governo tentando censurar reportagens na mídia chinesa.

“Falsas e exageradas”

A agência estatal para publicações e imprensa disse que muitos dos pequenos jornais e revistas chineses têm publicado reportagens falsas, exageradas e vulgares, com um sério impacto na sociedade.

O órgão definiu sete tipos de textos proibidos: daqueles que revelem segredos de Estado e firam o interesse nacional aos que contradigam o Marxismo-Leninismo ou promovam a violência, a depravação ou a superstição.

As regiões onde dois veículos forem fechados por um ano não terão direito de aprovar a criação de nenhuma nova publicação por pelo menos 12 meses.

Aparentemente, as regras refletem um crescente incômodo do governo chinês com o crescimento da mídia no país.

Desenvolvimento do mercado

O aumento da venda levou a um aumento sem precedentes no número de novas revistas, jornais locais e sites da internet.

Todos disputam espaço no mercado com reportagens cada vez mais variadas sobre questões sociais, corrupção e, em alguns casos, escândalos sexuais e fofocas envolvendo celebridades.

Na semana passada, jornalistas do sudoeste da China desafiaram uma censura a jornais locais quanto à publicação de informações sobre um acidente numa mina, em que pelo menos 80 pessoas morreram.

Suas reportagens, publicadas em jornais de outras Províncias, forçaram o governo a investigar o incidente.

Jornalistas

Mas, enquanto algumas autoridades falam abertamente sobre a necessidade de um maior controle sobre a mídia, há uma clara preocupação quanto à audácia de alguns jornalistas, particularmente antes do delicado congresso do Partido Comunista, no próximo ano.

Vários editores foram afastados, incluindo um cujo jornal publicou uma reportagem sobre um suposto roubo de órgãos.

Mesmo assim, a crescente variedade de títulos disponíveis aos jornalistas chineses, particularmente na internet, tornou novas censuras mais difíceis de ser impostas.

Muitos jornais e revistas chineses continuam a publicar reportagens sobre assuntos delicados, de sociedades secretas a problemas em eleições realizadas em vilas do país.