Rossetto lança ‘Programa Nossa Primeira Terra’

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 22 de dezembro de 2003 as 09:17, por: cdb

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, lançou o Programa Nossa Primeira Terra.

 O evento contou com a presença de mais de dois mil jovens. Segundo o ministro, o programa vai disponibilizar R$ 520 milhões nos próximos três anos, com juros baixos e pagamento facilitado, para beneficiar 32 mil jovens rurais em todo o país.

Rossetto anunciou as condições do financiamento: 20 anos para pagar, três anos de carência e juros de 3% a 6% ao ano. Os recursos são provenientes do orçamento do Ministério do Desenvolvimento Agrário.

– Este é um programa simples, com foco na educação e no desenvolvimento do associativismo no meio rural. O Brasil enfrenta um grave problema que é o envelhecimento do meio rural e é nossa tarefa criar condições para que o jovem possa permanecer no campo. Temos uma demanda enorme por este programa e ficamos felizes porque esta é uma demanda positiva -declarou o ministro.

O Nossa Primeira terra, uma das linhas do Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF), do governo federal, vai favorecer jovens ruralistas sem terra ou filhos de agricultores familiares, na faixa de 18 a 24 anos, que desejam permanecer no campo e investir em uma propriedade.

Também serão contemplados os que possuírem formação em escolas agrotécnicas e de aprendizagem profissional, sendo necessário comprovar cinco anos de experiências na agricultura.

O Programa ainda garante financiamento para que o jovem possa implantar o projeto produtivo da propriedade, inovação tecnológica para formação de agricultores experimentadores e assistência técnica.

O Programa de Crédito Fundiário também vai beneficiar os trabalhadores rurais mais pobres, especialmente os do semi-árido nordestino, que terão acesso ao crédito por meio de mais duas linhas de crédito do Programa de Combate à Pobreza.

 Já os agricultores familiares com pouca terra que desejarem ampliar sua propriedade e a produção, além de meeiros e arrendatários, serão favorecidos pela linha de Consolidação da Agricultura Familiar. Rossetto explicou que a expectativa do governo federal é beneficiar 170 mil famílias no país, durante os quatro anos do governo Lula.