Rivaldo vai deixar o Milan, diz vice-presidente do clube

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 29 de novembro de 2003 as 19:45, por: cdb

O brasileiro pentacampeão do mundo Rivaldo deverá deixar o Milan, segundo informou neste sábado o vice-presidente do clube italiano.

“É com grande pesar que informo que Rivaldo deixará o Milan em alguns dias,” confirmou Adriano Galliani em entrevista à emissora de rádio Spazio Aperto.

O Milan concordou em liberar Rivaldo de seu contrato em setembro, mas tanto clube quanto jogador mudaram de idéia.

No entanto, o brasileiro não tem sido titular da equipe, e estará disponível para procurar um novo clube quando o período de transferências for reaberto em janeiro.

“Ele não encontrou seu lugar no clube e sem dúvida, irá jogar em outra equipe em janeiro,” disse Galliani.
Após decidir ficar no Milan em setembro, Rivaldo foi reintroduzido à equipe e entrou como substituto na Copa dos Campeões no jogo contra o Celta de Vigo, mas não jogou mais desde então.

O destino mais provável do brasileiro é a Inglaterra — em setembro, Rivaldo disse ter recebido várias ofertas de clubes da primeira divisão inglesa.

Um retorno para a Espanha, onde ele se consagrou, atuando pelo Deportivo La Coruña e Barcelona, também não está descartado, embora o alto salário do jogador iniba potenciais propostas.

Rivaldo se transferiu do Barcelona para o Milan logo após a conquista da Copa do Mundo de 2002 pelo Brasil, mas nunca conseguiu mostrar no clube italiano o futebol que fez dele um sucesso em cinco temporadas no Barcelona.

Após um mau começo na temporada da Série A do Campeonato Italiano, ele foi para o banco de reservas na Liga dos Campeões contra a Juventus em maio, e jogou muito pouco nesta temporada no clube comandado por Carlo Ancelotti.

Rivaldo disse recentemente que o ano passado foi o pior de toda sua carreira.

“Honestamente, não sei porque não encontro espaço no time, mesmo no banco”, afirmou o jogador antes de marcar um gol na partida do Brasil contra o Peru, pelas eliminatórias sul-americanas da Copa de 2006.

Embora tenha sofrido muitas restrições no Milan, o atacante de 31 anos continua sendo uma peça fundamental na seleção brasileira.

Mas no San Siro, ele teve de disputar uma vaga com o compatriota Kaká e o português Rui Costa, além dos já consagrados Filippo Inzaghi e Andriy Shevchenko.