Risco de Sars na América Latina “é muito baixo”, diz OPS

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 24 de abril de 2003 as 17:09, por: cdb

A diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPS), Mirta Roses Periago, destacou nesta quinta-feira que o risco da pneumonia atípica na América Latina “é muito baixo”.

Roses disse que, exceto no Canadá, não foi detectado em todo o continente americano casos secundários (contágios ocorridos a partir de pessoas que trouxeram a doença da Ásia).

“A situação no Canadá é preocupante”, já que a presença de casos secundários indicaria que o vírus voltou a sofrer modificações ou que as medidas de contenção não tiveram êxito.

No Canadá foram registrados 16 vítimas fatasis (todos eles na cidade de Toronto) e 330 casos, a maioria deles na província de Ontário, por causa da Síndrome Respiratória Aguda Severa (Sars, por sua sigla em inglês).

Roses assinalou que os únicos casos na América Latina foram os dois resgistrados no Brasil, e que eram importados, sem a ocorrência de contágios. O mesmo ocorre nos EUA, onde os casos confirmados ou possíveis também não indicam a presença de infecções secundárias.

Por isso, destacou que “fora da área do Norte da América não temos nenhuma transmissão secundária”.

Mirta Roses tentou minimizar a preocupação excessiva pela doença, ao assinalar que “não há dúvida de que o risco é baixo”.

Ainda assim, destacou que nas zonas de alto trânsito de pessoas, tanto por turismo como por viagens profissionais, “se requer uma vigilância muito importante”.

Para a responsável da OPS, que atua como agência regional da Organização Mundial da Saúde para a América (OMS), não se pode esquecer que a Sars é uma doença mortal e contagiosa.

Segundo dados da OMS, foram registrados até agora mais de 4.600 casos no mundo todo, com 264 pacientes mortos.