Rio enfrenta terceira etapa da racionalização de ônibus

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 23 de novembro de 2015 as 15:17, por: cdb

Por Redação, com ARN – do Rio de Janeiro:

As equipes de fiscalização e planejamento da Secretaria Municipal de Transportes do Rio (SMTR) acompanharam, desde as 7h desta segunda-feira, o primeiro dia útil da terceira etapa da racionalização da frota de ônibus na Zona Sul, iniciada na última sexta-feira.

Nesta etapa, entrou em operação a linha Troncal 2 (Praça General Osório-Rodoviária-via Lapa), como nova opção para os deslocamentos feitos pela 119 (Copacabana-Candelária-Circular), 190 (Rodoviária-Leme-Circular), 433 (Vila Isabel-Leblon) e 464 (Maracanã-Leblon).

A fiscalização monitora o trabalho de comunicação aos usuários e pode determinar ajustes na operação de acordo com a demanda dos passageiros
A fiscalização monitora o trabalho de comunicação aos usuários e pode determinar ajustes na operação de acordo com a demanda dos passageiros

As linhas 119 e 190 foram extintas na última sexta-feira, enquanto a 433 (Vila Isabel-Praia de Botafogo via Lapa) e a 464 (Maracanã-Praia de Botafogo-via Lapa) passaram a ser circulares e tiveram seus trajetos encurtados em Botafogo, na Avenida Nações Unidas, em frente ao Centro Empresarial Mourisco.

Por determinação da SMTR, o trabalho de comunicação direta aos usuários por meio de panfletos, placas e cartazes fica a cargo do Rio Ônibus. Agentes de informação estão distribuídos, desde a semana passada, em sete pontos-chave de movimentação, como Leme, Leblon e Terminal Padre Henrique Otte (Santo Cristo-Rodoviária), com o objetivo de atingir o maior número possível de passageiros. O Rio Ônibus faz a distribuição de 50 mil panfletos informativos.

Para o primeiro dia útil das novas mudanças, também foi determinado o reforço das equipes de informação que atuam nos principais pontos de integração, como Lapa e Praia de Botafogo. Cartazes estão sendo colocados nos ônibus das linhas modificadas e placas estão sendo afixadas nas paradas importantes desses trajetos.

A fiscalização monitora o trabalho de comunicação aos usuários e pode determinar ajustes na operação de acordo com a demanda dos passageiros.

A SMTR faz um apelo para que a população denuncie à Central de Atendimento da Prefeitura (1746) qualquer dificuldade sobre o acesso às informações do novo sistema. As denúncias são checadas rigorosamente e usadas para direcionar ações de fiscalização.

Passageiros contam com opções diretas e integradas

Mesmo com as mudanças da terceira etapa, moradores do Grajaú, Vila Isabel, Maracanã, Praça da Bandeira e Tijuca (cujas linhas 433 e 464 foram seccionadas no Mourisco), continuam tendo como opção direta (sem baldeação) para a Zona Sul a linha 432 (Gávea-Vila Isabel-via Túnel Santa Bárbara). O serviço também atende a quem sai da Uerj, que pode embarcar no Boulevard 28 de Setembro.

Alunos do Cefet, Escola Técnica Federal de Química e Universidade Veiga de Almeida, também contam com opções diretas para a Zona Sul, pelas linhas 457 (Abolição-General Osório) e 435 (Gávea-Grajaú) – ambas pelo Túnel Santa Bárbara.

Os passageiros que optarem pelas linhas 433 e 464 para chegar a bairros como Copacabana, Ipanema e Leblon, podem descer no Mourisco, em Botafogo, e integrar com as novas linhas troncais 2 (General Osório-Rodoviária-via Lapa) e 4 (São Conrado-Rodoviária-via Aterro).

Já os moradores da Lapa, contam como opções diretas a esses bairros as linhas 161 (Lapa-Leblon-via Jóquei) e 162 (Lapa-Leblon-via Copacabana), que tiveram a frota reforçada para atender a demanda. Os que permanecerem na 433 podem integrar no Mourisco com as troncais 2 e 4, onde há outras opções de baldeação: Troncal 1 (Praça General Osório-Central-via N.S. de Copacabana) e a Troncal 3 (Central-Leblon-via Aterro). Em operação nas duas primeiras etapas anteriores, a T1 e a T3 estão com tempo médio de espera nos pontos de um minuto.

– As principais mudanças feitas até agora oferecem opções diretas, sem baldeação. Porém, é importante destacar que a integração não representa viagens mais longas e gastos extras para os passageiros. O seccionamento de alguns trajetos, como, por exemplo, os das linhas 433 e 464, permite que os ônibus percorram distâncias menores, o que gera viagens mais rápidas, mais regulares e menos tempo de espera nos pontos – explica o subsecretário de Planejamento da SMTR, Alexandre Sansão.

Ainda de acordo com o subsecretário, as novas linhas troncais, indicadas para as integrações, também estão com intervalos curtos, com tempo médio de espera de quatro minutos, o que melhora o deslocamento dos passageiros e o trânsito nas áreas alcançadas, sobretudo no Centro.

A SMTR chama a atenção do usuário para o benefício do Bilhete Único Carioca, que evita gastos extras com as integrações. Com o BUC é possível pegar dois ônibus, no período de 2h30, pagando apenas uma tarifa (R$ 3,40).

Nesta segunda-feira, promotores do RioCard estiveram reforçando as vendas do BUC nos pontos do Leme e da Praia de Botafogo.