Retomar as terras griladas pela Cutrale

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 24 de agosto de 2011 as 21:44, por: cdb

Do sítio do MST:O MST promove campanha pela retomada das áreas da Cutrale e lança três documentos de abaixo-assinado para serem enviados às autoridades envolvidas no caso por e-mail.O Movimento luta pela retomada das terras griladas no município de Iaras, na região de Bauru, no interior de São Paulo, desde 1995. Dois anos atrás, foi realizado um protesto na área usurpada pela empresa Cutrale. Na época da ocupação, o clima estava contaminado pela disputa eleitoral, além do poder de uma empresa vinculada à Coca-Cola.A ocupação do MST foi satanizada por todos os meios de comunicação, que esconderam o principal: a área ocupada pertence à União e a Cutrale é uma empresa que utiliza do antigo procedimento da grilagem para sustentar um império do suco de laranja.A empresa do ramo do suco de laranja industrial comprou a fazenda de um grileiro e instalou uma plantação de laranjas. Em negociação com o Incra, admitiu que a origem da fazenda é irregular e prometeu repassar uma outra área para o assentamento das famílias. No entanto, rompeu o acordo.Nesta semana, famílias de trabalhadores sem-terra voltaram a ocupar a área para denunciar a paralisia da reforma agrária e para pressionar a Cutrale, o governo federal e o Poder Judiciário para a retomada da área.O Incra move uma ação na Justiça federal contra a Cutrale e pede a devolução da área. No entanto, a Justiça não é tão célere para determinar a retomada de uma fazenda sob controle de uma grande empresa quanto para dar ordem de despejo a trabalhadores Sem Terra. Por isso, a ação do Incra está engavetada.Não fosse apenas o uso ilegal das terras, a Cutrale usa em larga escala, sem o devido controle, toda espécie de venenos, pesticidas e agrotóxicos, causando poluição das águas, rios, e especialmente poluindo o lençol freático que abastece o Aqüífero Guarani.Contamos com o seu apoio! Participe!