Resíduo que vazou de reservatório não era tóxico, diz Cataguases

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 17 de abril de 2003 as 16:43, por: cdb

Os advogados da Florestal Cataguazes afirmaram nesta quinta-feira que o vazamento de um dos reservatórios da empresa, que resultou na mortandade de milhares de peixes nos Rios Pomba (MG) e Paraíba do Sul (RJ), não continha soda cáustica.

Segundo o consultor ambiental da empresa, Antonio Fernando Pinheiro Pedro, o conteúdo da barragem era basicamente orgânico. “Não há toxicidade química na água. As análises preliminares mostraram que as condições na região do lançamento dos rejeitos já estão próximas das normais antes do acidente. Os três animais, mostrados mortos na beira dos rios atingidos, foram afogados. Com certeza, não morreram por causa do vazamento”, frisou.

Ele explicou que a grande mancha negra realmente prejudicou a oxigenação da água, causando a morte dos peixes. “Mas assim que a mancha passa, a água fica novamente normal”. Pinheiro participou de coletiva com dois diretores da empresa, em São Paulo. Félix Santana, diretor administrativo, e João Gregório de Bem, diretor industrial, leram seus pronunciamentos e preferiram sair sem responder perguntas.

A assessoria da empresa, entretanto, confirmou a presença de soda cáustica nas substâncias que vazaram. Para a empresa, o estrago foi menor do que o divulgado pela imprensa e havia menos substâncias tóxicas do que o imaginado. Em nota à imprensa, a Cataguazes afirma que um relatório da Feam (Fundação Estadual do Meio Ambiente) apontou que as amostras de água da região já estão próximas do normal.