Representantes do governo brasileiro demonstram preocupação com a inflação

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 8 de setembro de 2004 as 05:05, por: cdb

 
Uma semana antes da próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) o diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central, Alexandre Schwaetsman, e o secretário do Tesouro Nacional, Joaquim Levy, afirmaram numa apresentação em Londres, que a inflação é um risco que deve ser combatido.
 
Nas reuniões com investidores europeus, cerca de trinta investidores, o representantes do governo brasileiro demonstraram preocupação com a alta de preços no Brasil. O diretor do BC disse que tanto a inflação cheia medida pelo IPCA cmo seu núcleo, que exclui preços voláteis, tem subido, o que gera preocupação no governo
 
Reforçando o conteúdo da última ata do Copom, Schwartsman afirmou que o BC precisa “desinflacionar” a economia ainda mais.
 
— Isso não se refere apenas à inflação corrente, mas também às expectativas futuras de inflação.

 A expectativa do mercado é que a taxa Selic, atualmente em 16%, deverá ser mantida pelo quinto mês consecutivo. Mas, diante da perspectiva de reajuste dos preços e das mais recentes manifestações do próprio BC, cresce a perspectiva de uma elevação nos juros.

De acordo com Schwartsman, a intenção do Banco Central é manter a inflação dentro da meta estabelecida de 5,5% para 2004, com margem de variação de 2,5 pontos percentuais para cima ou para baixo.

Segundo ele, os preços, que estiveram sob controle, voltaram a subir em conseqüência das pressões do câmbio no último trimestre e da alta no preço do petróleo.