Renan Calheiros diz que rito das MPs transforma senadores em despachantes 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 2 de junho de 2011 as 17:12, por: cdb

Em discurso nesta quinta-feira (2), o líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), disse que a atual forma de tramitação de medidas provisórias (MP) no Congresso Nacional gera um “clima de desgaste”, como ocorreu na noite de quarta-feira (1º) no Plenário. Para o parlamentar, o Senado corre o risco de “ficar atrofiado, se ficar votando MP de última hora”.

– Essa situação rebaixa os senadores a meros despachantes de MPs – lamentou.

O senador lembrou que o novo rito das medidas provisórias previsto na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 11/11, que tramita no Senado, foi tratado em uma reunião do PMDB com o vice-presidente da República, Michel Temer.

Dívidas dos estados 

Renan Calheiros informou ao Plenário que outros temas importantes foram tratados em reuniões do partido durante a semana, como as dívidas dos estados com a União e o novo Código Florestal.

O senador disse que o PMDB defende uma alteração no indexador que corrige a dívida dos estados com a União. O indexador atual é o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), com acréscimo de 6% a 9%, dependendo do estado. Segundo o senador, essa correção é incompatível com a realidade do país e com a capacidade dos estados. Ele defendeu a transformação de 20% do valor dessas dívidas em investimentos em educação e saúde nos estados devedores.

O parlamentar informou que os senadores Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC) e Eduardo Braga (PMDB-AM) vão elaborar uma proposta com soluções a serem apresentadas ao Ministério da Fazenda. Renan Calheiros disse, ainda, que o tema foi tratado com a presidente Dilma Rousseff, durante almoço na quart.

– É ilógico a União pretender faturar financeiramente sobre os estados – declarou o senador.

Antonio Palocci

Renan Calheiros disse discordar do colega Pedro Simon (PMDB-RS), que pediu o afastamento do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci. Segundo Renan, o ministro é um quadro importante do governo federal para ajudar no aprimoramento das relações políticas entre os poderes. O senador disse que Palocci não se furtará a responder as dúvidas remanescentes quanto à sua atividade passada como consultor.

O senador acrescentou que a presidente Dilma Rousseff pode contar com o apoio e a solidariedade do PMDB.

– O partido não vai participar de nenhuma conspiração para expor o governo ou o ministro Palocci – afirmou.

Da Redação / Agência Senado