Relatório aponta que 40% das crianças de Israel vivem na pobreza

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de dezembro de 2003 as 09:01, por: cdb

Aproximadamente 40 por cento dos menores de idade em Israel das comunidades judaica e árabe vivem em estado de pobreza e desnutrição e imersos no mundo do crime, segundo um relatório do Conselho Nacional para a Infância, dirigido por Isaac Kadman.

Outros 30 por cento dos menores correm o risco de terem o mesmo destino, e apenas outros 30 por cento gozam de uma “infância feliz”, acrescenta o relatório que foi divulgado hoje, quinta-feira.

O relatório anual desse organismo oficial destaca que, além de o número de pobres ter crescido nos últimos anos, também subiu o das crianças viciadas em drogas e álcool, assim como o de menores vítimas da violência e de abuso sexual.

O relatório, intitulado “Crianças em Israel, 2003”, foi elaborado por Asher Ben Arié, Iafa Zionit e Galit Krijack, e deixa claro que no Estado israelense se polarizou a diferença entre ricos e pobres, em ruptura com o modelo de sociedade igualitária de tempos passados.

– A sociedade israelense se engana se acha que pode renunciar a 40 por cento de suas crianças, os cidadãos do futuro – disse Kadman ao apresentar o relatório.

– Não existe possibilidade de que a sociedade israelense possa existir dentro de 20 anos apoiada apenas em 30 por cento de seus filhos das classes mais prósperas – comentou.

No último ano 2002, quase um terço das crianças, 29,6 por cento, se encontrava abaixo da linha da pobreza, isto é 656.000, cifra que inclui crianças palestinas residentes em Jerusalém, cuja comunidade conta com uns 230.000 membros.

Entre os menores da comunidade árabe, em sua grande maioria muçulmanos e uma minoria cristã, 54,4 por cento vivem na pobreza, mais do dobro dos que sofrem essa condição, 20,4 por cento, entre as crianças da maioria judaica do país.

Nas comunidades mais humildes, dizem os pesquisadores israelenses, os menores de idade são 60 por cento de seus membros, em comparação com os 22 por cento entre os das mais ricas.

Mais de 300.000 crianças são filhos de famílias que recebem assistência do Seguro Nacional pois têm renda abaixo do mínimo.

Sobre a criminalidade e as vítimas da violência e outros abusos, o relatório indica que entre 1990 e 2002 aumentou em 50,1 por cento, de 6.555 para 10.021, o número de casos analisados pelos tribunais encarregados de crimes juvenis ou contra os menores.

O relatório coincide com uma grave recessão econômica em Israel e com um nível de desemprego que afeta mais de 10 por cento da população, entre outros motivos devido ao conflito com os palestinos sob ocupação militar na Cisjordânia e em Gaza.