Reforma Agrária tem seu maior ativista preso pela Policia Federal

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 19 de junho de 2011 as 11:40, por: cdb

Por REFORMA AGRÁRIA PONTAL DO PARANAPANEMA 19/06/2011 às 14:20

O lider do MST José Rainha Jr. foi preso pela Polícia Federal no momento em que articulava jornada de luta contra o latifundio no Estado de São Paulo.

Na ultima quinta feira uma série de noticias vinculadas aos órgãos de imprensa noticiaram a prisão do mais conhecido ativista da reforma agrária no Brasil.

O lider do MST José Rainha Jr. foi preso pela Polícia Federal no momento em que articulava jornada de luta contra o latifundio no Estado de São Paulo.

Os noventa e dois mil (92.000) hectares de terras devolutas, conhecidos na região de Teodoro Sampaio como perímetro quinze tem em seu território áreas
canavieiras e áreas de expansão da cultura. A poucos meses essa região foram julgadas em terceira instancia pelo STF (Supremo Tribunal Federal) como devolutas, ou seja, as terras públicas é o motivo da prisão do mais
conhecido ativista político em pról da Reforma Agrária no Brasil, José Rainha Junior.

Desde o segundo semestre do ano passado quando a sentença do STJ acusou área do tamanho do município do Rio de Janeiro como devoluta, na região Oeste do Estado de São Paulo o ‘zumzumzum’ entre milhares famílias camponesas lutar por essas terras teve inicio.

A partir de então a maior liderança do MST no Estado de São Paulo José Rainha Junior passa a recrutar camponeses para formação de um mega acampamento que atualmente chega ao entorno de 1000 famílias. A estratégia do ativista dos sem terra é cercar o latifundio com acampamentos denunciando o uso particular de terras públicas. Atualmente alem do latifundio o agronegócio cobiça essas terras, a USINA ETH cujo nome “Conquista do Pontal” ligada ao Grupo Odebrecht realiza plantio em parte dos 92 mil hectares de terras públicas.No momento em que o lider desencadeava um debate em suas bases para iniciar novo processo de luta, seu grupo passa a sofrer um duro golpe com acusações de cunho político/criminoso por parte de órgãos ligados a repressão – Policia Federal.

A ofenciva do latifundio contra a organização camponesa no Brasil ja vitimou no ano 06 lideranças que denunciaram a estração ilegal de madeira na
Amazônia. Na região do Pontal do Paranapanema os ativistas do Movimento dos Agricultores Sem Terra – MAST Lino de Macedo e do Movimento dos Trabalhadores
Sem Terra – MTST “Miltão” foram presos por acusações ligadas a luta pela terra na região.

Desde ontem organizações sindicais e camponsesas alem de coletivos de mídias alternativas e outros grupos defensores da luta no campo realizam articulações em repúdio a prisão do maior ativista político da Reforma
Agrária do país.