Recife recebe festival de teatro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de novembro de 2003 as 14:40, por: cdb

Durante onze dias, o Recife será a capital do teatro nacional, com espetáculos de qualidade e espaços para discutir e refletir pensamento e ação, magia e crítica,num mesmo movimento. É o VI Festival Recife do Teatro Nacional, que tem início nesta quinta com o espetáculo “Novas Diretrizes em Tempo de Paz”, às 20h, no Teatro de Santa Isabel, e faz homenagem ao dramaturgo pernambucano Osman Lins.

O evento reúne 15 espetáculos de grande repercussão na cena nacional e produz eventos especiais, fomentando o intercâmbio cultural nas artes cênicas. Inclui o seminário Osman Lins, com três mesas redondas, onde palestrantes e debatedores discutirão o teatro, a prosa e o pensamento de Osman, de 14 a 16 de novembro, no Teatro Hermilo Borba Filho; cursos, ciclo de palestras, leituras dramáticas e o lançamento do livro “Osman Lins: O Matemático da Prosa”, da jornalista e crítica teatral Ivana Moura.

Nos palcos dos teatros de Santa Isabel, Parque, Barreto Júnior, Apolo-Hermilo e Armazém o público vai presenciar a qualidade e a diversidade do teatro brasileiro, revelando o talento de atores, encenadores e grandes autores. Os ingressos custam R$ 10, a meia entrada é R$ 5 e para a classe artística R$ 3.

Homenageado 
 
Escritor pernambucano, Osman Lins (1924-1978) escreveu cerca de 20 livros, entre romances, contos, peças, ensaios, artigos e casos especiais para televisão. Osman inicia seu teatro dentro de uma linha regionalista. Sua peça mais conhecida, “Lisbela e o Prisioneiro” (Prêmio Nacional de Comédia da Cia. Tônia-Celi-Autran, em 1964) está inserida na herança literária tradicional.

Depois que construiu Lisbela, o autor pernambucano partiu para um território teatral mais inovador, que rompe com modelos e princípios tradicionais de construção dramatúrgica. As peças “Mistérios das Figuras de Barro”, “Auto do Salão do Automóvel e Romance dos Dois Soldados de Herodes”, fazem parte dessa fase. Suas obras mais experimentalistas dialogam com outros procedimentos artísticos e conceitos da arte, que vão desde a visão da cultura popular, das artes plásticas e princípios do teatro épico até a cultura de massa. E com isso apresenta a utilização da diversidade de técnicas.