Receita devassa patrimônio da Máfia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 31 de maio de 2007 as 12:28, por: cdb

A Receita Federal começou a devassar as contas dos envolvidos na Operação Navalha, entre eles o dono da Construtora Gautama, Zuleido Veras, apontado como chefe do esquema, liberado pela Justiça esta semana. Ao todo, 60 das pessoas citadas e investigadas pela Polícia Federal – acusadas de fraudes em contratos de licitações públicas – têm os seus rendimentos submetidos ao pente-fino dos fiscais da Receita.

Logo depois de executar os mandados de busca e apreensão, duas semanas atrás, a PF recolheu e catalogou os documentos dos 48 presos e mais 12 envolvidos nas escutas telefônicas e enviou o material aos mesmos auditores do fisco que também já investigam 200 acusados nas operações Hurricane e Têmis. As três operações (Navalha, Hurricane e Têmis) contabilizam, portanto, 260 contribuintes que se transformaram em alvos da fiscalização da Receita.

A Receita informou que vai reforçar as equipes que trabalham na fiscalização dos envolvidos nas operações da PF nestes últimos dois meses. Só depois de concluído o procedimento de fiscalização é que os auditores fazem o auto de infração dos impostos devidos.

Os autos são encaminhados ao Ministério Público com o pedido para que os fraudadores sejam responsabilizados criminalmente.


Segundo os fiscais, as fiscalizações da Receita se transformam, a partir da aplicação de pesadas multas, na iniciativa com retorno mais eficiente no curto prazo.

Um exemplo desse retorno é a Operação Sanguessuga, que não teve ninguém punido pelo Judiciário, mas multou, só a Planam, em R$ 12 milhões por sonegação de impostos. A Planam era a empresa de Luiz Antonio Vedoin que, segundo a CPI dos Sanguessugas, pagava propinas a parlamentares para fazer a venda privilegiada e superfaturada de ambulâncias com verbas públicas para as secretarias de Saúde dos municípios.