Rebeldes continuam ofensiva para conquistar Trípoli

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 24 de agosto de 2011 as 11:34, por: cdb

Rebeldes pisam em estátua durante invasão do QG de Khadafi

Fortaleza na capital líbia foi invadida após horas de batalha.

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

A última versão do Flash Player está disponível aqui

Formatos alternativos

Um dia depois da tomada do quartel-general de Muamar Khadafi por rebeldes, a capital da Líbia, Trípoli, voltou nesta quarta-feira a ser palco de intensos confrontos entre insurgentes e forças leais ao regime e de bombardeios da Otan.

Grupos de rebeldes enfrentaram forças leais ao líder líbio em áreas do sul e do centro da capital da Líbia.

A região a leste do aeroporto internacional de Trípoli é um destes campos de batalha. Houve ainda dois bombardeios da Otan sobre a cidade nesta quarta-feira.

Os combates voltaram a explodir apesar da conquista do QG de Khadafi por insurgentes – considerada a área mais bem guardada do país até a invasão, e um dos maiores símbolos do regime.

Durante a noite, Khadafi teve um discurso transmitido por rádio e TV, em que dizia estar em Trípoli e conclamava seus seguidores a resistir à ofensiva rebelde, e a “vencer ou morrer”.

Ele disse ainda ter feito uma “retirada estratégica” de seu quartel-general e ter andado pelas ruas de Trípoli “discretamente” e “sem ser visto”.

O correspondente da BBC em Trípoli Wyre Davies afirmou, entretanto, que a população local não parece ter acreditado no que Khadafi afirma.

Combates

O paradeiro do líder líbio é desconhecido. Acredita-se que ele ainda tenha uma ampla rede de seguidores nas cidades de Sirte e Sebha, a cerca de 650 quilômetros da capital.

Segundo a agência de notícias Associated Press, Sebha tem uma base da força aérea e, se Khadafi conseguir controlar a cidade, teria a opção de escapar por estradas no deserto para os vizinhos Níger ou Chade.

Um porta-voz rebelde disse à BBC que havia negociações em andamento com a população de Sebha e Sirte, por um fim pacífico do conflito.

Franco-atiradores leais ao regime foram vistos no QG de Khadafi em Bab al-Aziziya, apesar de o local ter sido tomado por rebeldes na noite de terça-feira. Houve tiroteios intensos perto do Hotel Rixos, onde 35 jornalistas estrangeiros estão sitiados por forças leais a Khadafi.

Um líder rebelde disse à agência de notícias AFP que forças pró-Khadafi estavam na estrada que leva ao aeroporto. Segundo a TV Al-Arabiya, forças leais a Khadafi dispararam barragens de artilharia contra as cidades de Zuara e Ajelat, a oeste da capital.

Os rebeldes entraram em Trípoli no fim de semana, e na terça-feira já ocupavam o QG de Khadafi.

Rebeldes no quartel-general de Khadafi

O levante contra os 42 anos de regime de Khadafi na Líbia começaram em fevereiro. As forças insurgentes começaram sua campanha pelo leste e em bolsões do oeste do país, antes de iniciar sua ofensiva contra a capital. Bombardeios da Otan contra forças de Khadafi ajudaram a campanha rebelde. A Otan age cumprindo mandato da ONU para proteger a população civil, mas críticos da operação dizem que a aliança militar se aliou aos rebeldes.