Reavivar a memória de Jesus

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 24 de junho de 2011 as 19:42, por: cdb

A crise da missa é, provavelmente, o símbolo mais expressivoda crise que se vive no cristianismo atual. Cada vez aparece com mais evidênciaque o cumprimento fiel do ritual da eucaristia, tal como ficou configurado aolongo dos séculos, é insuficiente para alimentar o contacto vital com Cristoque, hoje, a Igreja necessita.

O afastamento silencioso de tantos cristãos que abandonam amissa dominical, a ausência generalizada dos jovens, incapazes de entender egostar da celebração, as queixas e pedidos de quem continua a assistir comfidelidade exemplar, gritam-nos a todos que a Igreja, no próprio centro dassuas comunidades, necessita de uma experiência sacramental muito mais viva esentida.

No entanto, ninguém parece se sentir responsável pelo queestá acontecendo. Somos vítimas da inércia, da covardia ou da preguiça. Um dia,quem sabe não tão distante, uma Igreja mais frágil e pobre, mas com maiscapacidade de renovação, empreenderá a transformação do ritual da eucaristia, ea hierarquia assumirá a sua responsabilidade apostólica para tomar decisões quehoje não nos atrevemos nem a expor.

Entretanto, não podemos permanecer passivos. Para que um diase produza uma renovação litúrgica da Ceia do Senhor é necessário criar um novoclima nas comunidades cristãs. Temos de sentir de forma muito mais viva anecessidade de recordar Jesus e fazer da Sua memória o princípio de umatransformação profunda da nossa experiência religiosa.

A última Ceia é o gesto privilegiado em que Jesus, ante aproximidade da Sua morte, recapitula o que foi a Sua vida e o que vai a ser aSua crucificação. Nessa Ceia concentra-se e revela-se de forma excepcional oconteúdo salvador de toda a Sua existência: o Seu amor ao Pai e a Sua compaixãopara com os humanos, levado até ao extremo.

Por isso é tão importante uma celebração viva da eucaristia.Nela, atualizamos a presença de Jesus no meio de nós. Reproduzir o que Eleviveu no término da Sua vida, plena e intensamente fiel ao projeto do Seu Pai,é a experiência privilegiada que necessitamos para alimentar o nosso seguir aJesus e o nosso trabalho para abrir caminhos ao Reino.

Temos de escutar com mais profundidade o mandato de Jesus:”Fazei isto em memória de Mim”. No meio de dificuldades, obstáculos yresistências, temos de lutar contra o esquecimento. Necessitamos fazer memóriade Jesus com mais verdade e autenticidade.

Necessitamos reavivar e renovar a celebração da eucaristia.

[Tradução ao português de Portugal: Antonio Manuel ÁlvarezPérez.
NdE: Adaptamos para o português do Brasil
Enviado por Eclesalia Informativo]