Raio-X do Campeonato Brasileiro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 27 de setembro de 2002 as 16:09, por: cdb

A primeira fase do Campeonato Brasileiro já teve 164 jogos disputados, nas suas 14 rodadas iniciais. Ou seja, 50,64% dos 325 duelos previstos entre os seus 26 clubes participantes.

A competição deste ano apresenta algumas novidades em relação à sua edição anterior. Dois oito melhore times classificados em 2001, até a 14ª rodada, somente três aparecem novamente na elite de 2002: Atlético-MG, São Caetano e Santos.

O Palmeiras, que era o líder no ano passado, caiu consideravelmente de produção e agora amarga a lanterna da tabela, junto com Goiás, Paraná e Paysandu, com somente dez pontos em 12 partidas (27,78% de aproveitamento).

O elenco comandado pelo técnico Levir Culpi possui a defesa mais vazada, ao lado do Fluminense, com 26 gols sofridos, e o menor número de vitórias do Brasileirão, ao lado de Goiás e Botafogo: apenas duas. Dos dez pontos, somente um foi conquistado fora de casa.

O 1 x 0 sobre o Paysandu, na noite desta quinta-feira, acabou aliviando um pouco o clima de enorme tensão que já tomava conta do Parque Antarctica. “Nosso objetivo é sempre vencer. Já que ficamos nove jogos sem vitórias, quem sabe a gente não derrota todos os adversários agora. Temos que pensar grande, por que não?”, destacou o experiente meia Zinho, ainda confiante em uma possível – ou impossível? – classificação.

Na atual edição do Brasileiro, a liderança é dividida por três equipes: Coritiba, Juventude e Corinthians somam 26 pontos em 13 partidas (66,67% de aproveitamento). Os gaúchos chegaram a abrir seis pontos de vantagem para o segundo colocado, mas atravessam uma fase negativa e já estão há três rodadas sem vencer.

“Não é possível atuar bem sempre”, justificou Ricardo Gomes, treinador do alviverde. “Temos que buscar a recuperação. O que importa é que seguimos acreditando na força do nosso grupo”, acrescentou.

Alguns clubes estão se destacando principalmente em seus domínios. Em outros casos, o melhor rendimento é observado nos confrontos fora de casa.

Na quinta posição da tabela, com 22 pontos, o São Caetano ostenta 100% de aproveitamento quando atua com o apoio da sua torcida. No estádio Anacleto Campanella, o Azulão obteve seis vitórias em seis jogos, com 15 gols a favor e apenas um contra.

Já o Guarani, oitavo colocado, também com 22 pontos, conquistou quatro vitórias, um empate e somente uma derrota nas suas seis partidas longe de Campinas (72,22% de aproveitamento). O Bugre é bastante inferior quando joga no estádio Brinco de Ouro.

A pior média dentro de casa pertence ao Gama. O time do Distrito Federal somou apenas cinco dos 18 pontos possíveis (27,78%), com uma vitória, dois empates e três derrotas em seis jogos.

O Paraná, por sua vez, ainda não conquistou nenhum ponto fora de Curitiba. O elenco orientado pelo técnico Otacílio Gonçalves perdeu todos os seus seis compromissos, tendo marcado cinco e sofrido 13 gols.

A Ponte Preta, que está no incômodo 13º lugar, vem fazendo uma campanha inusitada. A Macaca ostenta o quinto melhor aproveitamento em casa (76,19%), contrastando com a antepenúltima média fora (6,67%).

Em relação à média de gols, as edições de 2001 e 2002 estão rigorosamente iguais: 2,79 por partida. Até a 14ª rodada, no ano passado, haviam sido marcados 514 gols em 184 jogos (eram 28 os times participantes). Neste ano, foram 459 em 164 confrontos.

O percentual de empates, no entanto, sofreu uma queda acentuada: de 27,17% para apenas 21,34%. Até o momento, em 2002, 35 duelos terminaram com a igualdade no placar. O campeão neste critério é o Internacional (5).