Rainha diz que dará trégua ao governo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 25 de novembro de 2003 as 15:45, por: cdb

O líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), José Rainha e a sua mulher, Diolinda, visitaram o presidente da Câmara, João Paulo Cunha, para agradecer a solidariedade prestada aos “presos políticos” do movimento. Para Rainha, essa solidariedade foi fundamental para que ele e a mulher fossem libertados. Rainha demonstrou disposição de dar uma trégua ao governo nas invasões de terras.

O anúncio da trégua foi feito ontem pelo coordenador nacional do MST, João Paulo Rodrigues, depois do encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do anúncio das metas do governo para a reforma agrária. Rainha disse que não acompanhou as negociações, mas que participará para o entendimento, principalmente por se tratar de um governo democrático e popular que levou 500 anos para ser eleito no País. Com esse gesto, segundo Rainha, o MST demonstra que não é violento. “Quem é violento neste país é o latifúndio”.

Embora reconheça que o plano de metas para a reforma agrária seja apenas a metade do que foi prometido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em campanha, Rainha disse que está satisfeito. “Está bom. Estou contente e esperançoso. O Brasil precisa avançar. Não tem problema se é a metade”.

Para Rainha, a saída dele e de sua mulher da prisão foi uma vitória da Justiça e o reconhecimento de que não é bandido.”Assim reconheceu o Supremo (Supremo Tribunal Federal) dando uma lição nessa oligarquia atrasada que vê os militantes do MST como bandidos”, afirmou. Rainha e Diolinda estiveram com a senadora Heloísa Helena (PT-AL), prestando solidariedade e desejando que ela permaneça no PT. A senadora está afastada do partido por discordar de certos po sicionamentos do partido