Radiação em água de Fukushima ultrapassa 10 milhões vezes o padrão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 27 de março de 2011 as 10:35, por: cdb

Segundo a Agência de Segurança Nuclear japonesa (Nisa), foi registrado, neste domingo (27/03), um nível de radiação 10 milhões de vezes superior ao permitido legalmente na água proveniente do reator 2 da usina nuclear de Fukushima. Os técnicos que tentam desesperadamente há mais de duas semanas consertar o sistema de resfriamento dos reatores tiveram de ser novamente evacuados.

Segundo a Nisa, uma possível causa seria um vazamento dentro do núcleo do reator. Devido à radioatividade extrema, as medições foram interrompidas. A água contaminada tornaria o trabalho muito perigoso. O líquido radioativo deverá ser bombeado para fora, de forma que os técnicos possam instalar os necessários cabos elétricos do sistema de resfriamento dos reatores.

O governo japonês exigiu da Tepco (Tokyo Electric Power Company), empresa que administra a usina, a confirmação de onde provém a água contaminada, afirmando que não existiria o perigo de contaminação em massa e descontrolada para a população.

A radiação também aumentou no mar de Fukushima, informou a Nisa. Enquanto no sábado, a concentração de iodo radioativo detectada no oceano era 1.250 vezes superior à norma, neste domingo testes apontam que a concentração ultrapassa 1.850 vezes o padrão.

Equipe da Aiea

Após o anúncio do aumento de radioatividade, a Agência Internacional de Energia Atômica (Aiea) demonstrou preocupação. “Considerando todas as escalas, trata-se de um acidente muito grave”, declarou o diretor-geral da Aiea, o japonês Yukiya Amano, ao jornal New York Times.

Bildunterschrift: Großansicht des Bildes mit der Bildunterschrift:  Trabalhos foram interrompidos mais uma vez em FukushimaAmano disse também que a crise não passou, podendo durar ainda semanas ou até meses. As autoridades japonesas continuam sem saber se os núcleos dos reatores e as barras de combustível estão cobertas com quantidade suficiente de água para seu resfriamento, disse ele.

O diretor-geral da Aiea declarou ainda que seria ao menos um bom sinal o fato de o fornecimento de eletricidade ter sido parcialmente restaurado na central de Fukushima. “Mas para superar a crise, é necessário que mais seja feito”. Ele disse não querer criticar o governo em Tóquio.

Nos últimos dois dias, a Aiea enviou duas equipes de especialistas ao Japão para ajudar as autoridades do país na medição da radioatividade e possível contaminação de alimentos.

Posição governamental

Apesar do anúncio do aumento extremo de radioatividade na central nuclear de Fukushima, o governo em Tóquio afirmou que a situação se encontra parcialmente estabilizada. Em coletiva de imprensa, o porta-voz do governo, Yukio Edano, declarou que as causas da elevação de radioatividade ainda são desconhecidas.

“Nós evitamos que a situação piorasse”, disse Edano. “Mas as expectativas não melhoram em uma linha constante e nós esperávamos altos e baixos. A água contaminada é um desses baixos e continuaremos a consertar os danos”, declarou o porta-voz.

CA/dpa/dapd/rtr
Revisão: Francis França