Quo vadis Dilma?

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 14 de fevereiro de 2015 as 15:00, por: cdb
Jornalista e escritor Tarcísio Lage comenta para onde vai Dilma, dirigindo de marcha à ré e na contramão
Jornalista e escritor Tarcísio Lage comenta para onde vai Dilma, dirigindo de marcha à ré e na contramão

A companheira Dilma está fazendo uma peripécia danada de perigosa. Dirige de marcha a ré na contramão. E pode se lascar de vez, levando para o brejo o PT que já vinha desfigurando-se como partido de esquerda desde que comeu o bombom do poder.

Lula, quando assumiu a presidência pela primeira vez, em 2003, também modificou o programa do PT, fez acordos espúrios com partidos fisiológicos como esse saco de gatos que é o PMDB e o resultado foi a perda de militantes valiosos do partido.

No entanto, Dilma está indo muito mais longe nas concessões ao capital financeiro e até se arvorando como defensora das empresas de construção civil, o setor mais corrupto em todo o mundo.

Sua ministra da Agricultura, Kátia Abreu, é inimiga de morte dos sem-terra e no seu decágono a reforma agrária devia se resumir a entregar os latifúndios ao agronegócio destruidor do meio ambiente para produzir suas commodities a fim de abastecer o mercado internacional, onde sobra grãos num mundo onde pelo menos um bilhão passa fome.

Com essas medidas do ministro da Economia Joaquim Levi o capital financeiro está, talvez, mais contente se o Armindo Fraga estivesse dirigindo a orquestra sob a presidência do playboy Aécio.

A turma militante das bases do PT – ainda escorando a casa para que ela não caia de vez – está no mínimo atônita, sem saber o que fazer. É possível que muitos abandonem o barco que se afunda no mar da picaretagem do sistema partidário brasileiro.

O PT de Dilma está se igualando de vez aos outros partidos, sem ideologia, sem rumo, adaptando seu programa ao sabor das conveniência.

E tem a Petrobrás com este escândalo que, pelo menos, teve o mérito de mostrar a farra das construtoras e suas relações espúrias com o poder.

Mas, há algo pior ainda. A Petrobrás, tudo indica, apostou muito pesado num projeto duvidoso: o pré-sal. Haja brocas de diamante para chegar ao fundo do poço de um combustível condenado no futuro.

É bem possível que se não houvesse o lobby agressivo das petroleiras (atrás até da Invasão do Iraque) a humanidade já teria outras fontes de energia, mais baratas e limpas. Teimosa com os aliados e abaixando a cabeça para o grande capital, Dilma não consegue sequer discutir que o pré-sal simplesmente não tem futuro, muito menos seus aspectos negativos para o meio ambiente. Talvez, pior ainda, o projeto não passe de um grande buraco para o escoamento de grana.

Dilma, na sua teimosia – há rumores de que não quer nem mais ouvir Lula – esteja traindo ela mesma, seu passado de combatente contra a ditadura militar que assolou o país por 25 anos. Uma pena!

<b>Tacísio Lage</b>, jornalista, escritor, foi exilado durante a ditadura, trabalhou nas rádios internacionais Suíça e Holanda, vive em Hilversum.

<b>Direto da Redação</b> é um fórum de debates editado pelo jornalista <b>Rui Martins</b>