Queda na venda de veículos vira obstáculo para montadoras

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 3 de maio de 2015 as 12:00, por: cdb
veículos
Em 2014, os preços de ações da GM e da Ford puxaram para baixo o mercado automobilístico

As montadoras de veículos de Detroit, que caminham para o melhor ano de vendas desde 2006, podem ter que se preparar para tempos mais difíceis. Executivos de fabricantes dizem que a indústria vive um de seus melhores momentos dos últimos anos. Mas a julgar pela performance recente de ações da General Motors, Ford Motor e Fiat Chrysler Automotive, os investidores enxergam a situação de maneira menos robusta.

Durante o ano passado, os preços de ações da GM e da Ford puxaram para baixo o mercado automobilístico, apesar de medidas das duas companhias para dar mais retorno aos acionistas.

Os preços de ações da Fiat Chrysler despencaram na semana passada enquanto o presidente Sergio Marchionne fez esforços cada vez mais abertos para insistir em uma fusão com algum de seus rivais.

– A festa pode estar chegando ao fim – disse Charles Chesbrough, economista sênior da IHS Automotive.

– Ainda estamos olhando para alguns dois bons anos com demanda forte, mas os dias de grandes aumentos nas vendas ficaram para trás – completou.

Entre os otimistas está Kurt McNeil, diretor de vendas da GM nos EUA, que disse na última sexta-feira que a indústria está vivendo seu melhor ano de vendas desde 2006. As vendas de carros e caminhonetes devem chegar a 17 milhões em 2015, comparadas a 10 milhões em 2009.

A confiança do consumidor norte-americano está em alta, preços de imóveis estão se recuperando e a gasolina custa menos de US$ 4 por galão em muitas partes do país, ajudando as vendas de grandes caminhonetes e SUVs, que lideram os lucros para as três montadoras de Detroit, assim como já faziam desde antes da crise financeira de 2008/2009.

Mas há sinais alarmantes. O crescimento de vendas está desacelerando no mercado doméstico, a demanda por carros pequenos e sedans familiares está caindo, receitas já caíram, lucros fora da América do Norte e da China são virtualmente inexistentes e os preços de ações se estabilizaram.

Todas as três fabricantes de Detroit não atingiram as expectativas de receitas de analistas para o primeiro trimestre. Depois de reportarem vendas saudáveis em abril na sexta-feira, as ações das três caíram novamente.