PT encontra resistência para reformas em sua própria bancada

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 20 de abril de 2003 as 15:16, por: cdb

Três dos principais pontos das reformas pretendidas pelo governo Lula são rejeitadas pela maioria dos deputados federais do PT. São eles a cobrança de contribuição previdenciária dos servidores públicos inativos, o PL-9 e a autonomia do Banco Central.

Segundo pesquisa feita pelo jornal com 84 dos 92 deputados petistas, pelo menos 54% rejeitam cada uma destas propostas, mostrando que a oposição à política econômica não se resume à ala radical do partido.

A proposta com maior rejeição é o PL-9 (projeto de lei número 9), que aplicaria aos novos servidores o teto de aposentadoria do setor privado, com 77%. A contribuição dos servidores aposentados é rejeitada por 60% dos petistas na Câmara. A menor rejeição (54%) é à independência do Banco Central.

O presidente do PT, José Genoino, afirmou que a bancada não será um empecilho às reformas. “O PT fará amplo debate, esclarecerá os deputados, e todos vão votar unidos”.

Pelo menos em um dos pontos a maioria petista entra em acordo com o governo. 61% dos entrevistados apóiam a transformação da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) em tributo permanente.

Os deputados deram uma nota para os primeiros cem dias do governo Lula. A média das notas foi 8,5.