PT busca votos de brasileiros em NY

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 15 de setembro de 2002 as 12:20, por: cdb

Uma comitiva do PT, em visita a Nova York desde a última sexta-feira, é liderada pelos prefeitos João Fassarella, de Governador Valadares (MG), e Pedro Wilson, de Goiânia (GO).

O motivo da visita é o fato de Nova York ser um dos principais destinos dos brasileiros nos EUA e reunir cerca de 300 mil, segundo as estimativas oficiais, e mais de 1 milhão de imigrantes conforme cálculos informais do Itamaraty. A maioria vive ilegalmente nos EUA. Mas o último cadastramento do Consulado bateu recorde de inscritos para votar em outubro: 10 mil pessoas.

Além disso, estima-se que há pelo menos 40 mil valadarenses no país, a maioria também ilegal, mas cujos envios de dólares para familiares respondem pela maior parte da riqueza da cidade mineira, montante calculado em algo como US$ 4 milhões/mês.

Assim, acompanhados por assessores e pelo secretário de assuntos institucionais do Partido, Vicente Trevas, os políticos desembarcaram na manhã de anteontem para uma tour pela região, que incluirá ainda visitas a Boston e Nova Jersey. O aeroporto, JFK, é o mesmo frequentado por nomes como o presidente do Banco Central, Armínio Fraga, e o ministro da Economia, Pedro Malan.

Mas as semelhanças param aí.

Primeiro, os carros à espera: o governo anda de limusine preta, geralmente um Lincoln Town Car; a oposição se locomove numa camionete e não raro toma táxis. Enquanto a equipe econômica anda de ternos bem cortados, a outra vem com o que tiver.

O encontro inicial do governo com a imprensa costuma acontecer nas instalações do prédio que abriga o restaurante Le Cirque 2000 da Madison Avenue, um dos mais caros da cidade, US$ 200 a refeição a dois. O primeiro encontro dos prefeitos aconteceu no bar e club Why Not?, na periferia, muito frequentado pelos brasileiros do Astoria.

Até mesmo a linguagem difere. Malan e Fraga discursam em inglês, os petistas dão trabalho à tradutora simultânea na hora de traduzir expressões para ela enigmáticas como “a companheirada” e “nós passamos da condição de pedra para vidraça”.

Mudança de tratamento

O tratamento dos acadêmicos também mudou. De repente, o PT é moda.
O professor Mauricio Font, um dos maiores entendedores de Brasil nos EUA, comandou o encontro com cerca de 20 estudantes promovido na tarde de sexta-feira pelo Bildner Institute na Universidade de Nova York.

Ao apresentar Pedro Wilson, Vicente Trevas e Roque da Silva (assistente de Aloizio Mercadante), Font fez questão de dizer que também ele estava lá, em São Paulo, quando Lula foi preso pelo regime militar, em 1979. “Vi o PT começando a nascer”, disse, cheio de orgulho e esperança.