Protestos nas ruas marcam visita de O’Neill à Argentina

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 8 de agosto de 2002 as 11:33, por: cdb

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Paul O’Neill, disse nesta quarta-feira que seu país confia em um avanço das negociações da Argentina com o Fundo Monetário Internacional (FMI), reiterando uma posição que havia manifestado anteriormente, mas sem oferecer nenhum tipo de ajuda concreta para o país sul-americano, mergulhado na pior crise econômica de sua história.
“Saudamos as conversações da Argentina com o FMI sobre as políticas necessárias para criar um ambiente econômico sustentável”, disse O’Neill, em uma entrevista coletiva. “Nós, nos Estados Unidos, queremos trabalhar através das instituições financeiras internacionais para brindar apoio às nações que se comprometem com as políticas econômicas sustentáveis”.
O presidente Duhalde informou objetivamente ao secretário norte-americano que a Argentina necessitava urgentemente de ajuda financeira para salvar sua economia, mas não conseguiu obter promessa de assistência imediata.
“O presidente disse ao secretário O’Neill que o elemento tempo é de uma tremenda importância a essa altura”, declarou o porta-voz Eduardo Amadeo, após o encontro de 35 minutos entre Duhalde e o representante do governo norte-americano.
O’Neill, segundo o porta-voz presidencial argentino, deu “uma resposta cordial, dizendo que o governo norte-americano, mais do que ninguém, quer ver o povo argentino superando essa situação crítica”.
A Argentina enfrenta a violenta crise econômica que levou à suspensão dos pagamentos de suas dívidas em dezembro do ano passado, a uma aguda desvalorização do peso em relação ao dólar e a uma taxa de desemprego que está na casa dos 22 por cento da população economicamente ativa.
Esses problemas desembocaram em uma crescente revolta social e em esporádicos protestos violentos.