Protestos em série tumultuam abertura dos Jogos Olímpicos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 5 de agosto de 2016 as 11:29, por: cdb

Gritos de ‘Fora Temer!’ ecoaram no túnel que liga Copacabana a Botafogo, na Zona Sul do Rio, durante os protestos contra o golpe

 

Por Redação – do Rio de Janeiro

 

Movimentos sociais, estudantes, torcedores, manifestantes contra o golpe de Estado e toda sorte de desmandos, em curso no país, promoveram uma série de atos públicos, em pontos diferentes do Rio de Janeiro, para protestar contra a ruptura democrática promovida sob a liderança do presidente de facto, Michel Temer.

Maior parte das manifestações contra o golpe ocorreram nos estádios de futebol
Maior parte das manifestações contra o golpe ocorreram nos estádios de futebol

— Denunciamos, aqui, o golpe para o mundo, aproveitando que é o dia de abertura dos Jogos Olímpicos — afirmou a jornalistas o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT-RJ), Marcelo Rodrigues, o Marcelinho, sobre as manifestações que marcaram a festa das Olimpíadas. O protesto começou durante a madrugada, na Zona Sul do Rio.

Assista ao vídeo:

Os organizadores da mobilização, entre eles a CUT, o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), os movimentos sindicais ligados à Frente Povo Sem Medo, à Frente Brasil Popular (FBP) e à Frente de Esquerda Socialista, buscam a maior repercussão internacional possível, para denunciar o golpe midiático-parlamentar, em curso no país.

— A questão da denúncia do golpe tomou uma proporção mundial. Nós tivemos esta semana, inclusive, a discussão da representação do ex-presidente Lula (contra o juiz Sérgio Moro no Comitê de Direitos Humanos da ONU), nós achamos que esse debate tem de ser feito nos tribunais internacionais, não só na América Latina, mas no mundo todo, que não pode conviver com esse golpe de estado — afirmou Rodrigues.

As manifestações ocorreram pela manhã, na praia de Copacabana e, à tarde, nos arredores do estádio do Maracanã, palco da cerimônia de abertura das Olimpíadas. A FBP também chamou os manifestantes de outras cidades, em todo o país, para ocupar as ruas na próxima terça-feira, quando o Plenário do Senado votará a pronúncia do pedido de cassação da presidenta Dilma Rousseff, no processo de impedimento.

“Está em jogo o presente e o futuro do povo brasileiro. Agora é a hora: não temos tempo a perder e não temos nada a temer”, diz a Frente Brasil Popular, em nota distribuída nesta sexta-feira.

Protestos em série

As mobilização popular tem sido mapeada pelas forças de segurança dos Jogos Olímpicos do Rio, que identificaram o planejamento de pelo menos sete atos contra o governo do presidente de facto, Michel Temer, na abertura da Olimpíada. Os agentes federais monitoram as redes sociais e calculam que há cerca de 15 mil pessoas envolvidas nos protestos, que já ocupam parte dos locais públicos do Rio, onde há movimentação de público. Às 11h, movimentos sociais foram à praia de Copacabana em manifestação da Frente Povo Sem Medo e Frente Brasil Popular.

— O protesto tem como objetivo denunciar o governo ilegítimo do País, o risco aos direitos sociais com as propostas levadas a cabo pelo governo Temer e a calamidade olímpica — afirmou Guilherme Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

À tarde, a Frente Independente Popular planeja paralisar o transito na Praça Saens Peña ao entorno Maracanã. Outra convocação, do grupo Brasil Sem Corrupção estruturou o “maior escracho da história”, durante a abertura dos Jogos Olímpicos. O plano era gritar “fora, Temer” em três momentos: após o Hino Nacional, durante e após o pronunciamento do presidente interino e depois da participação da cantora Elza Soares.

Além do estrago promovido junto à opinião pública internacional, o governo golpista temiam que os manifestantes promovessem bloqueios no trajeto das autoridades até o Estádio. Para evitar interrupções, a segurança ostensiva foi redobrada na Avenida Presidente Vargas, trajeto do comboio que sairá do Palácio do Itamaraty, no Centro do Rio.