Proposta de Lula para Previdência é a mesma da campanha, diz Berzoini

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 20 de maio de 2003 as 16:09, por: cdb

Em resposta às críticas que vem recebendo da ala radical do PT, o ministro Ricardo Berzoini (Previdência) disse que a proposta levada ao Congresso Nacional não sofreu nenhum tipo de revisão em relação ao programa de governo e sim “aprofundamento de diagnóstico”. Ele participou de um seminário na Associação Comercial no Rio de Janeiro sobre a reforma no setor.

– A reforma previdenciária, ao contrário do que dizem alguns, não é uma revisão de opinião ou de posição. É muito mais um aprofundamento de diagnóstico e que está presente no programa de governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, apresentado à nação no ano passado. O diagnóstico que fizemos naquela ocasião nada diverge do nosso posicionamento atual – afirmou.

Para o ministro, o aprofundamento se deve ao conhecimento da máquina pública e aos números do governo, que permitiram um melhor “diagnóstico orçamentário da Previdência e do setor público”.

Radicais

Berzoini disse ainda que o PT não faltou com o diálogo junto aos radicais do partido. Segundo ele, foram os radicais que fizeram isso, ao agir de forma contrária às posições tomadas em relação ao tema no Diretório Nacional deste ano.

– Não há qualquer ausência de diálogo. Quando há, é por parte de algumas pessoas que fazem parte das bancadas (do partido no Congresso). É um comportamento que não é adequado ao estatuto – afirmou.

Segundo ele, a divergência entre os membros do partido “é legítima”, mas não são legítimos o que considerou “ataque sistemático dessa ala”. São identificados como radicais a senadora Heloísa Helena (AL) e os deputados federais João Batista Araújo, o Babá (PA), e Luciana Genro (RS).