Propaganda de Serra mostra uma São Paulo irreal, de fantasia, plastificada

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 24 de outubro de 2012 as 11:35, por: cdb

Nestas horas finais da disputa pelo 2º turno a campanha do candidto a prefeito Fernando Haddad (PT e partidos aliados) no rádio e TV está mostrando de forma incontestável (como fez ontem) que a propaganda plastificada do adversário tucano José Serra (PSDB-DEM-PPSD-PV-PTB-PDT) é uma coisa completamente irreal, cria um mundo de fantasia.

Tenho visto a propaganda tucana e aquele metrô virtual deles na TV, num passe de mágica cria linhas novas e quilômetros e quilômetros de trilhos, num ritmo que os tucanos não fazem nem nunca fizeram na Prefeitura e no Governo do Estado. “No reino da propaganda do Serra os hospitais funcionam bem, sem fila. Mas aqui na São Paulo de verdade a realidade é outra”, afirmou com precisão ontem um dos locutores do programa do candidato do PT.

O atendimento médico-hospitalar é pessímo e como bem lembra a campanha petista, o candidato tucano apoiou o projeto que reserva 25% dos leitos públicos para atender somente a clientela particular ou quem tem plano de saúde. Não só apoiou: fez o projeto. É de sua autoria, o governo Alckmin apenas regulamentou.

Ainda bem que a Justiça barrou as parcerias tucanas

“Ainda bem que a Justiça barrou, porque se dependesse da turma do Serra até para ser atendido em hospital público, teria que ter dinheiro no bolso ou seu plano em dia”, conclui o locutor do programa petista. “Eles ficam martelando o tempo todo algo para que pareça verdadeira”, chama atenção a locutora do programa ao comentar a tentativa de José Serra de passar a impressão de que Haddad é inexperiente.

Ora, Haddad, como diz sua campanha, trabalhou mais tempo na gestão Marta Suplicy (2001 a 2004) do que o tucano ficou na Prefeitura (só 16 meses até abandoná-la). Aliás,  dizer, também, tranquilamente, que Haddad trabalhou mais tempo na Prefeitura e no Ministério da Educação, do que José Serra somados os anos em que foi prefeito e governador (posto a que também renunciou antes do fim do mandato).

Ontem o petista, rebatendo as acusações do programa tucano em relação às parcerias, mais uma vez afirmou que considera “importante as parcerias público-privadas” e que irá fazê-las, inclusive com o governo do Estado.

Uma decisão vergonhosa do PSDB

“Serra fala isso para desviar a discussão de uma decisão vergonhosa do seu partido. A tentativa de privatizar 25% dos leitos do SUS para clientes de plano de saúde. Com isso os tucanos que não construíram os três hospitais que prometeram, ainda querem tomar 800 leitos dos pobres”, afirmou Haddad.

O petista já afirmou em diferentes oportunidades que não vai acabar com as parcerias. A questão 
das parcerias com Organizações sociais (OSs) é que elas estão sendo mitificadas por essa propaganda do Serra que que mais parece publicidade do que tentativa de passar ao eleitor a verdade.

Parcerias podem e devem ser feitas, mas precisam ser fiscalizadas e conroladas, como cobram o Tribunal de Contas do Municípios (TCM) e o Ministério Público (MP). Não podem ser uma via para a privatização e  elitização da saúde como pretendem os tucanos.

As firmadas pelos governos do PSDB precisam superar o grave ponto de estrangulamento que provocam em todo sistema de gestão e ao não possibilitar um atendimento, planejamento e ação
comuns, já que  cada unidade  de saúde e gerida por uma OS.