PROMOTORIA DE NÁPOLES SE OPÕE A TRANSFERÊNCIA DE INVESTIGAÇÃO SOBRE EXTORSÃO CONTRA BERLUSCONI

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 21 de setembro de 2011 as 14:23, por: cdb

NÁPOLES, 21 SET (ANSA) – A promotoria de Nápoles pediu hoje a anulação da decisão da juíza Amalia Primavera, que ordenou a transferência para Roma da investigação sobre uma suposta extorsão que o empresário Gianpaolo Tarantini teria submetido o premier italiano, Silvio Berlusconi.
   
No recurso, os promotores afirmaram que ainda é muito cedo para estabelecer com precisão qual deveria ser a sede judicial encarregada do caso, ao contrário do que Primavera havia alegado ontem.
   
A juíza justificou a mudança com base nas declarações de Marinella Brambilla, secretaria de Berlusconi, e conforme um documento da defesa apresentado pelo próprio primeiro-ministro.
   
Eles indicam que os pagamentos foram feitos a Tarantini e seu sócio, Valter Lavitola, com “somas que eram retiradas por um encarregado de Lavitola em Roma, no Palácio Grazioli”, a residência privada de Berlusconi na capital italiana.
   
O chefe de Governo da Itália nega que tenha feito pagamentos a Tarantini em troca de seu silêncio, e sustenta que as remessas seriam uma ajuda para “uma família que estava em dificuldades”.
   
Tarantini encontra-se atualmente detido na prisão napolitana de Poggioreale. Segundo a promotoria, ele exigiu dinheiro do primeiro-ministro em troca de seu silêncio sobre supostas festas realizadas em sua residência, onde jovens teriam sido levadas. (ANSA)