Promotor foragido escapa de segunda acusação

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de dezembro de 2001 as 22:37, por: cdb

O promotor de Justiça Igor Ferreira da Silva, foragido desde 18 de abril, quando foi condenado a 16 anos e quatro meses de cadeia pelo assassinato da esposa Patrícia Aggio Longo, na noite de 4 de junho de 98 em Atibaia, livrou-se ontem de outra acusação, a de co-autoria de crime de autoacusação falsa. Ele teria participado do suborno de um preso da cadeia pública de Guarulhos, João Genivaldo Ramos, para que assumisse a autoria do homicídio de Patrícia.

O Plenário do Tribunal de Justiça (TJ), por 19 votos a zero, com base no voto do desembargador-relator José Osório, rejeitou a denúncia apresentada contra Igor pela Procuradoria Geral da Justiça.

Segundo a denúncia, o plano de suborno teria sido engendrado por Igor e seus irmãos, Eger e Eric Ferreira da Silva. Eles ofereceram a João Genivaldo, envolvido em vários crimes violentos, R$ 7 mil, além da promessa de “livrá-lo das broncas que respondia. O preso aceitou a oferta e “confessou” à juíza Isaura Cristina Barreira, da Vara do Júri de Guarulhos, a autoria da morte de Patrícia. A juíza desconfiou da confissão que investigações posteriores provaram ser falsas.

Em seu voto, o desembargador José Osório, disse que a prova colhida “não indica nenhum ato concreto praticado por Igor, no que se refere ao planejamento. João Genivaldo reconheceu Eger por fotografias como sendo a pessoa que por diversas vezes o procurara na cadeia para fazer a proposta. Ana Lúcia Pereira Leite, companheira de João Genivaldo, disse também que manteve contatos no mesmo sentido com Eger e Eric. Entretanto jamais foram procurados por Igor.

Assim, conta o promotor, “nada existe de concreto, apenas conjecturas inteiramente subjetivas, sem nenhum apoio na prova dos autos”. Rejeitada a denúncia contra Igor, cessou a competência do TJ. Agora o processo será redistribuído à uma vara criminal comum, onde terá prosseguimento com relação aos demais acusados: João Genivaldo, sua companheira, Ana Lúcia e os irmãos Eger e Eric Ferreira da Silva.