PRÓLOGO DE ‘CEM ANOS DE SOLIDÃO’ É TRADUZIDO PARA IDIOMA INDÍGENA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 19 de abril de 2012 as 10:30, por: cdb

BOGOTÁ, 19 (ABR) – Um curto prólogo para o livro “Cem anos de solidão” traduzido para um idioma indígena da Colômbia foi publicado hoje no jornal El Heraldo, que circula na cidade de Barranquilla, capital do departamento colombiano de Atlántico.
   
O autor do texto é Félix Carrillo, compositor de vallenata, uma música típica colombiana, e promotor cultural. Ele conseguiu a permissão do autor da obra, Gabriel García Márquez, para traduzir o prólogo para o wayuunaiki.
   
O wayuunaiki é falado por cerca de 305 mil indígenas da etnia Wayúu, que moram na Serra Nevada de Santa Marta, na província de La Guajira, localizada no norte da Colômbia, e que também se espalham pelo norte da Venezuela.
   
Em “Cem anos de solidão”, aparecem dois personagens Wayúu, que são Visitación e Cataure, que levam consigo Rebeca e a peste da insônia para a vila.
   
García Márquez aprovou a tradução de Carrillo. “Ao ver o texto do exemplar de ‘Cem anos de solidão’ traduzido por nativos da cultura Wayúu, me senti como Palabrero Mayor, em condições de expressar a fortaleza desta raça de homens quentes e sempre impetuosos”, disse.
   
O escritor comentou que “a lembrança constante da província de La Guajira me leva ao reencontro com a visão de meus avós, meu pai, irmãos, tios e primos, regados por veredas e povos desta terra quente e rebelde, ligada a minha alma de viajante indômito”.
   
O prêmio Nobel de Literatura, que completou 85 anos em 6 de março deste ano, será homenageado na Rússia com uma exposição no metrô da Rússia com citações de obras do autor. Um trem com oito vagões circulará pela rede metroviária de Moscou com trechos dos romances mais conhecidos de Márquez impressos em suas paredes.
   
A homenagem se insere na programação do “ano de Márquez na Rússia”. (ANSA)