Programa poderá equilibrar balança comercial na área da saúde

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 19 de abril de 2012 as 08:37, por: cdb

Além do aspecto fundamental da descentralização no tratamento de câncer no país, o programa anunciado pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, tem mais um aspecto extremamente positivo: na outra ponta, pode nos trazer a tão desejada redução do déficit comercial na área.

Com o programa, adiantou o ministro Padilha, “teremos mais acesso aos medicamentos de ponta e ficaremos imunes à oscilação cambial”. Os dados do Ministério da Saúde indicam que a balança comercial neste campo no país é sempre deficitária.

Este resultado negativo já chegou a alcançar, em diversos anos, US$ 10 bi(R$ 18,6 bi), devido ao grande volume de remédios e equipamentos que precisam ser importados.  A demanda da saúde no país representa 9% do PIB e concentra de 30% a 35% de todo o esforço brasileiro em inovação tecnológica, além de mais de 10% da força de trabalho no nível superior.

“Vamos reforçar as parcerias entre dois laboratórios públicos e cinco privados. Em dois anos estaremos produzindo o medicamento (Mesilato de Imatinibe, usada no tratamento de leucemia crônica) no país e em quatro anos a oferta será sustentável”, assegurou Padilha ao detalhar a fase inicial do programa.

De acordo com o ministro, o programa seguirá a linha já adotada em relação às medicações usadas no tratamento de HIV pela qual, metade das drogas para combater a doença é produzida no país e oferecida gratuitamente pelo governo aos pacientes.