Programa leva atendimento odontológico gratuito a jovens do Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de abril de 2015 as 15:23, por: cdb
De acordo com o coordenador do Dentista do Bem, Saulo Nixon de Souza, o projeto busca identificar adolescentes de baixa renda
De acordo com o coordenador do Dentista do Bem, Saulo Nixon de Souza, o projeto busca identificar adolescentes de baixa renda

Jovens com idade entre 11 e 17 anos foram atendidos por dentistas voluntários nesta terça-feira, durante ação promovida pelo programa Dentista do Bem, em comemoração ao Dia Mundial do Sorriso. O objetivo da iniciativa é fazer uma triagem e verificar a condição da saúde bucal do paciente para encaminhar esse jovem ao tratamento odontológico gratuito, até que ele complete 18 anos. A expectativa da organização é que mais de 60 mil jovens sejam atendidos durante a ação que ocorre simultaneamente em cerca de 300 municípios do Brasil e em outros 10 países da América Latina, além de Portugal.

De acordo com o coordenador do Dentista do Bem, Saulo Nixon de Souza, o projeto busca identificar adolescentes de baixa renda que necessitam de tratamento odontológico para oferecer atendimento gratuito com um dos 15 mil dentistas voluntários. “Hoje nós estamos fazendo a seleção desses jovens carentes. Esse tratamento é oferecido no consultório particular de cada dentista voluntário, então ele vai ter o mesmo atendimento, o mesmo tratamento e o mesmo material que recebem os pacientes particulares desse dentista, porém sem ônus para a família. Esse dentista voluntário vai ficar próximo à região onde mora a criança, então ela não vai precisar se deslocar tanto”, contou Souza.

O jovem precisa estar acompanhado de um responsável e levar carteira de identidade, comprovante de residência e de matrícula em escola pública para participar da triagem. Durante o atendimento, o dentista faz um exame visual não invasivo da condição odontológica de cada jovem e preenche uma ficha com dados sobre a saúde bucal e a condição socioeconômica da família. Caso a criança não precise de atendimento, os dentistas orientam os pais com algumas ações educativas que possam ajudar a resolver algum problema que a criança tenha.

A diarista Ana Lúcia Chagas, 39 anos, contou que espera conseguir o tratamento para seu filho Marcos Vinícius, de 11 anos. “Hoje em dia está tão difícil um atendimento público e quando a gente vê essas coisas de graça a gente fica um pouco cabreira, mas não custa nada tentar. Eu trouxe ele para buscar um atendimento porque eu já levei ele no dentistas e o orçamento era R$ 1 mil e não tem a menor condição. Faltei trabalho e ele faltou a escola para tentar aqui e se ele conseguir o tratamento é de graça até os 18 anos, então seria bom”, disse Ana Lúcia.

Para o coordenador regional do Rio de Janeiro da Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip), Turma do Bem, do projeto Dentista do Bem, Eduardo Picanço, a maioria das crianças que participam do atendimento precisam de algum tipo de cuidado. Ele conta que muitas não realizam a higiene bucal corretamente, mas lembra que é possível reverter esse quadro com o trabalho prestado pelos dentistas voluntários.

– A maioria precisa e precisa muito do atendimento. A gente não faz só o atendimento, mas a partir do momento em que eles entram para ser atendidos com o dentista, existe um processo de educação deles. Hoje você vê a maioria com controle de placa muito deficiente, o índice de higiene muito deficiente e quando eles conseguem entrar no projeto, a gente percebe que eles ficam mais estimulados de melhorar a limpeza – explicou Picanço.