Programa de Empreendedores de Curitiba ajudou 5.200 mil pessoas em 2003

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 1 de janeiro de 2004 as 13:07, por: cdb

O Programa de Desenvolvimento de Empreendedores, executado pela Fundação de Ação Social (FAS), recebeu ao longo do ano cerca de 5.200 pessoas, entre pequenos empresários, donos de comércio, indústria ou prestadores de serviços, trabalhadores, homens e mulheres interessados em abrir negócios próprios. Houve aumento de 160% em relação ao ano anterior, quando 2.003 pessoas passaram pelos cursos e outras atividades de treinamento ao empreendedorismo.

A expansão do programa, segundo Arantes, confirma a postura adotada pelo prefeito Cassio Taniguchi e a presidente da FAS, Marina Taniguchi, de priorizar ações de auto-sustentação da população. “O empreendedorismo é o foco de soluções para muitos problemas das cidades”, afirmou Arantes.

O programa é executado pela Fundação de Ação Social (FAS) dentro das iniciativas de qualificação profissional, como alavanca para geração de trabalho e renda à população.

Segundo a presidente da FAS, Marina Taniguchi, os empreendedores são pessoas que colocam Curitiba em posição de vanguarda no Brasil. – A política de ação social desenvolvida em Curitiba tem uma porta de entrada, que é o atendimento emergencial. Tem também uma porta de saída, que são as iniciativas de apoio à auto-sustentação das pessoas, que lhes garantem melhores condições de vida e mais dignidade – afirma Marina.

Participantes do programa destacam a atuação dos profissionais da FAS que atuam como facilitadores, ministrando os cursos. “São pessoas muito qualificadas, que colocam o empenho e carinho acima de tudo”, diz Regina Fráguas.

Em 2003 foram ministrados 134 cursos e 27 palestras. Foram 46 cursos de iniciação ao empreendedorismo, que utiliza uma metodologia avançada, em que os participantes vivenciam situações reais de dificuldades e desafios da vida empresarial.

Foram realizados ainda cursos de atendimento ao cliente, de marketing, plano de negócios, associativismo, mercado, de perfil do empreendedor, de gerenciamento empresarial, de treinamento de empreendedores e de formação de custos.
Ocorreram novas parcerias, entre elas com a secretaria de Abastecimento, que levou o curso de empreendedorismo às feiras livres, feiras especiais, mercado municipal.

Todos os participantes do programa Empório Metropolitano (de apoio a pequenos produtores) realizaram cursos. Também passaram pela qualificação as pessoas que integram os Barracões Empresariais do programa Linhão do Emprego.

“Para quem já é empreendedor, os cursos nos dão um norte, mostrando se estamos ou não no caminho certo”, disse Regina. Sua fábrica de bolsas, que começou no fundo do quintal, emprega 15 pessoas.

“Nos cursos da FAS aprendi a valorizar meus produtos, meus funcionários, a dar importância para a qualidade”, afirmou. Ela já fez diversos cursos e não pretende parar de se qualificar. “É importante lembrar que a FAS abre oportunidade de qualificação também para os funcionários. Isso eleva muito nossa competitividade”, disse Regina.

Alexandre Pereira Lima, dono de uma loja de auto-peças, fez o curso de iniciação ao empreendedorismo. “É uma incrível oportunidade de crescimento profissional e até pessoal. Aprendi coisas que desconhecia, como, por exemplo, planejar bem o negócio, fazer tudo com qualidade e de olho nos custos”, disse ele.