Professores franceses fazem greve contra reformas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de maio de 2003 as 02:37, por: cdb

Professores franceses deixaram de trabalhar na quinta-feira, na segunda grande greve desta semana, anunciando uma nova onda de protestos contra os planos do governo de congelar gastos, reformar a Previdência e devolver poderes a autoridades locais.

Sindicatos esperam que 40 por cento dos funcionários participem da greve que já é a sexta desde o início do ano acadêmico, em setembro. A ação abre o caminho para o protesto nacional programado para domingo e para outras greves previstas para a próxima semana.

O governo afirma que as reformas são necessárias para evitar o rombo no sistema previdenciário, que no momento permite que muitos funcionários se aposentem aos 60 anos de idade.

O governo fez na semana passada acordos com sindicatos menores, mas outros grupos importantes rejeitaram a proposta.

O primeiro-ministro francês, Jean-Pierre Raffarin, tenta evitar o destino do último governo conservador do país, que suspendeu o programa de reformas em 1995 e perdeu o poder em 1997 após semanas de protestos.

Os professores temem que a medida provoque corte de empregos.

– Se o governo considerar que o plano deve ser modificado em alguma maneira, isso será feito – disse o ministro da Educação francês, Xavier Darcos.