Professores de Pernambuco seguem paralisação

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 11 de novembro de 2003 as 10:56, por: cdb

Apesar da disposição do governo do Estado em cortar o ponto dos professores estaduais, a categoria decidiu continuar com as paralisações semanais até o dia 12 de dezembro, em assembléia realizada nesta segunda-feira, na quadra do Instituto de Educação de Pernambuco (IEP).

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe) também pretende entrar com mandado de segurança contra a decisão do governo de cortar o repasse em folha da contribuição sindical dos docentes, anunciada há uma semana.

“Ainda não se passaram 30 dias depois do primeiro protesto para contarem as faltas. Se realmente forem confirmados os descontos, mais uma vez o governo passou por cima da lei”, reclamou o presidente do Sintepe, Fernando Melo. Uma comissão de 21 professores procurou a Assembléia Legislativa de Pernambuco (Alepe) para conseguir o apoio de deputados estaduais nas negociações com o Estado.

A terceira manifestação seriada dos educadores acontece também na quinta-feira. Eles promoverão o Dia da Proclamação da Irresponsabilidade do governo com a Educação. “As paralisações só param se nos derem uma resposta de reajuste até dezembro. Do contrário, vamos convocar assembléia geral no primeiro dia de aulas de 2004 para deflagrar greve por tempo indeterminado”, asseverou o vice-presidente do Sintepe, Heleno Araújo.A Secretaria de Educação e Cultura do Estado (Seduc) reafirma que não suspenderá o corte do ponto dos faltosos durante as greves de 24h.

Segundo o secretário de Administração do Estado, Maurício Romão, a secretaria ainda não foi notificada oficialmente de nenhum pedido e não há chance de reconsiderar o corte do desconto da contribuição sindical em folha. Na próxima semana, outra assembléia dos professores será convocada para discutir como vai ser feita a reposição das aulas para os 994 mil estudantes da rede.