Professora conquista na Justiça o direito de terminar curso

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 26 de agosto de 2011 as 16:47, por: cdb

Da Redação

Uma instituição de ensino em São João Nepomuceno é condenada a indenizar por danos morais uma professora em R$ 4 mil, além de permitir o acesso às aulas necessárias para se formar no curso normal superior. A decisão é da 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), que manteve a sentença da juíza Flávia de Vasconcellos Araújo Silva, da 1ª Vara Cível da cidade.

A professora ajuizou ação pleiteando indenização por danos morais e requerendo o direito de cursar as matérias restantes para concluir o curso superior. Segundo o processo, ela, por já ser formada em artes, conseguiu, em 2007, se matricular na turma do 3º período do curso normal superior sem prestar vestibular. A matrícula foi possível a partir de um pedido de obtenção de novo título.

Ao chegar ao final do curso, em 2008, tentou se matricular nas matérias referentes ao 1º e ao 2º período. Entretanto, foi informada pela instituição de ensino de que, por falta de interessados, o curso não seria mais oferecido, fato que a impossibilitaria de completar a sua formação.

Justiça proíbe clube do Centro de Juiz de Fora de fazer eventos com som altoMais de 1.700 queixas contra bancos já foram registradas, em 2011, em Juiz de ForaBanco vai pagar R$ 3 mil de indenização por não ter compensado cheque de juiz-forano no valor integral

Na Justiça, a universidade, em sua defesa, argumentou que, no momento da matrícula da ex-aluna, já tinha avisado que a instituição não poderia se comprometer a fornecer as outras matérias. Todavia, a juíza não acolheu esse argumento.

Inconformada com a decisão, a instituição de ensino recorreu ao Tribunal. Contudo, o relator da apelação, desembargador Tibúrcio Marques, entendeu que a relação entre a universidade e a progessora é de consumo, ou seja, se faz presente a responsabilidade objetiva (a obrigação de indenizar independente de culpa).