Produção industrial brasileira teve crescimento ‘modesto’, diz analista

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 16 de maio de 2003 as 13:36, por: cdb

O crescimento industrial regional de março foi classificado como “modesto” pela analista do Departamento de Indústria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Mariana Rebouças. O instituto divulgou nesta sexta-feira a Pesquisa Industrial Mensal Regional de março, que registrou elevação de produção em oito das doze regiões pesquisadas.

– O resultado teria sido pior, se não fosse os setores exportadores, como petróleo, e de agroindústria – disse a técnica, explicando que estes setores têm sustentado a produção de alguns Estados, embora a média nacional da produção esteja em queda – o IBGE divulgou esta semana queda de 3,4% na produção em março ante fevereiro.

Ela explicou que, embora o resultado regional do setor tenha sido positivo, o desempenho global da indústria está em trajetória de desaceleração de crescimento. Na avaliação de Mariana, a indústria está perdendo o fôlego.

– A indústria está refletindo cinco meses de taxas de juros elevadas, e de rendimento do trabalhador em queda – disse.

Sobre a indústria de São Paulo, a região de maior peso no setor, em âmbito nacional, entre as 12 localidades pesquisadas, a analista informou que, embora o desempenho da indústria paulista tenha sido positivo em março, há desaceleração no nível de crescimento da indústria da região, em março, ante resultados anteriores.

– Em março, a produção industrial de São Paulo cresceu 1,6%; em fevereiro, a expansão foi de 3,9%”, disse.

A técnica também comentou o fato dos resultados da produção regional apresentarem “sinais de dispersão”, com taxas muito elevadas em alguns Estados, como é o caso de Espírito Santo (alta de 28,5% em março, ante março de 2002); ou muito baixas como Pernambuco (queda de 9,8% ante igual mês em 2002).

– No Espírito Santo há indústrias voltadas para exportação, como de petróleo; e também houve aumento de expansão de capacidade de uma grande empresa de celulose no período – explicou Mariana, acrescentando que Pernambuco não teve estas vantagens.