Prisioneiro mais antigo do “corredor da morte” é executado nos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 7 de maio de 2003 as 00:48, por: cdb

Carl Isaacs, o mais antigo prisioneiro do corredor da morte nos EUA, foi executado na terça-feira na Geórgia, depois de a Justiça rejeitar um apelo de última hora.

Isaacs, 49, foi morto por injeção letal numa prisão do Estado da Geórgia em Jackson, cerca de 80 quilômetros ao sul de Atlanta. Ele morreu às 20h07 (21h07 em Brasília), de acordo com autoridades penitenciárias.

“Ele recusou dizer as últimas palavras, mas pediu um oração”, contou uma porta-voz do Departamento Penitenciário da Geórgia.

Isaacs foi condenado à morte em 1974 e em 1988 por ser o líder de um grupo que roubou e matou um fazendeiro, o irmão, a mulher e os três filhos dele num ataque contra a casa em que moravam em Seminole, no sudoeste da Geórgia, em 1973. A mulher foi sequestrada e estuprada antes de ser morta

Isaacs passou quase 30 anos na cadeia por causa do crime, que chocou a Geórgia e deflagrou uma caçada nacional aos criminosos.

Isaacs, seu irmão mais novo, Billy, seu meio-irmão Wayne Coleman, e George Dungee foram presos uma semana depois.

Billy Isaacs, que tinha 15 anos na época do crime, concordou em testemunhar contra seu irmão e os outros dois em troca de uma redução na pena.

Carl Isaacs, Coleman e Dungee foram condenados à morte em 1974. Os três receberam um novo julgamento em 1988, quando a Justiça concordou que a enorme publicidade em torno do caso os impediu de receber um julgamento justo.

Mas Isaacs foi novamente condenado à morte. As sentenças de Coleman e Dungee foram reduzidas para prisão perpétua.