Principais banco alemães preparam megafusão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de novembro de 2003 as 08:48, por: cdb

Os quatro principais bancos alemães preparam uma megafusão e já receberam para isso a aprovação do Governo de Berlim, informa hoje, aegunda-feira, o jornal “Financial Times Deutschland”.    



Para concretizar esta aliança, os presidente dos bancos Deutsche Bank, HypoVereinsbank, Dresdner e Commerzbank se reuniram recentemente com o ministro das Finanças, Hans Eichel, que garantiu o apoio do executivo.

Josef Ackermann, presidente do Deutsche Bank, foi quem propôs “uma solução nacional” para impedir que entrem no mercado alemão concorrentes como o Royal Bank of Scotland, o francês BNP Paribas e o suíço Crédit Suisse, que já declararam seu interesse em adquirir entidades alemães.

Segundo o jornal, Ackermann disse na cúpula com Eichel que só com uma solução nacional está garantido o financiamento da indústria alemã a longo prazo.

Os bancos e seguradoras alemães, como a Allianz e Münchener Rück, têm amplas participações em grupos industriais do país, dos quais ultimamente estão se desvinculando para estabilizar-se em seu núcleo de atividades.

Fontes financeiras citadas pelo jornal revelaram que não se trata de uma simples fusão, mas de “algo de grandes dimensões”, que poderia ser tanto a criação de um banco gigante ou de vários institutos especializados em diferentes setores, como bancos privados, bancos varejistas e bancos de investimento.

As autoridades de concorrência não impediriam uma megafusão dos quatro maiores bancos alemães, já que juntos têm uma fatia de mercado nacional menor que 20 por cento.

O resto é coberto pelos bancos regionais, cadernetas de poupança e bancos cooperativados.

O presidente do Commerbank, Klaus-Peter Müller, disse na sexta-feira passada que, por enquanto, sua entidade está concentrada em aumentar a rentabilidade e não em fusões, mas que também ficará satisfeito se, em conseqüência desta estratégia, o terceiro maior banco alemão se tornar mais atraente para uma futura aliança.

Ackermann se declarou em termos similares ao apontar que nos próximos três ou quatro anos se dedicará a aumentar os lucros antes que seu banco decida uma consolidação.

No passado, fracassaram várias tentativas de fusão entre bancos alemães, como a entre o Deutsche Bank e o Dresdner Bank, e entre Commerzbank e o Dresdner.

Nos últimos meses, circularam insistentes rumores sobre uma aliança entre o HypoVereisbank e o Commerzbank, cujas ações quase dobraram de valor.