Primeiro grupo de refugiados são deportados para Afeganistão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 28 de abril de 2003 as 16:13, por: cdb

Trinta refugiados afegãos foram deportados, contra sua vontade, pelo Ministério do Interior britânico nesta segunda-feira, constituindo o primeiro grupo que regressa ao Afeganistão desde a queda do regime talibã.

Diversos grupos defensores dos direitos dos refugiados criticaram esta medida, alertando que o país ainda não pode ser considerado seguro.

A decisão britânica faz parte de um programa mais amplo para que, no próximo mês de setembro, o número de refugiados no país seja reduzido à metade.

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, disse nesta segunda-feira que estão dando passos “muito significativos” neste sentido.

Esse Ministério teria parado de deportar refugiados ao Afeganistão há oito anos, em função da instabilidade do país, outorgando permissões excepcionais para que estas pessoas prolongassem sua estadia no Reino Unido.

No entanto, depois da queda do regime talibã no Afeganistão, em 2001, Londres apresentou, em agosto de 2002, seu plano de “retornos voluntários assistidos”, no qual oferecia uma ajuda econômica a indivíduos e famílias que decidissem regressar ao seu país por vontade própria.

Apesar da expectativa do Ministério do Interior de receber até mil solicitações, soube-se no começo deste mês que apenas 39 afegãos teriam aderido ao programa.

– É muito cedo para decretar deportações forçosas ao Afeganistão quando há evidências de que o país ainda não é seguro e existe um clima de impunidade, no qual não pode ser garantida a proteção das pessoas -, afirmou Margaret Lilly, diretora-executiva do Comitê para Refugiado.

Alan Gibson, porta-voz do Comitê para Defesa dos Solicitantes de Asilo, disse nesta segunda-feira que estas deportações são um “escândalo” e um “ultraje”, acrescentando que “no Afeganistão ainda há um caos total”.

– Algumas destas pessoas (os refugiados forçados a regressar) vão morrer, não há dúvidas sobre isso. Não é de se estranhar que não queiram voltar -, afirmou Gibson.