Primeiro debate só mostrou os talentos teatrais dos candidatos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 5 de agosto de 2002 as 08:15, por: cdb

O primeiro debate presidencial, pela Band, foi marcado por ataques pessoais especialmente entre os candidatos Ciro (PPS), Serra (PSDB) e Garotinho (PSB). Lula (PT) foi poupado pelos dois primeiros e sofreu provocações apenas do ex-governador do Rio. Serra sofreu o ônus de ser o candidato do governo, foi o mais atacado. Na defensiva, Serra subiu o tom dos ataques. A ponto de, no último bloco, a produção da Band conceder direito de resposta a Ciro. O tucano o acusara, por duas vezes, no bloco anterior (o 4º), de “faltar com a verdade”. Referia-se a números citados por Ciro sobre o tempo em que foi ministro da Fazenda (em94).

As propostas de governo não trouxeram quase nenhuma novidade – talvez exceto uma de Ciro, que levantou a idéia de cobrar contribuição previdenciária de empresas que se automatizaram (de cada robô que tenha substituído um operário, por exemplo). No entanto, mesmo essa idéia pode ser inviável judicialmente. Serra teve praticamente só um adversário desde o início até o terceiro bloco: Garotinho, que concentrou ataques e provocações ao tucano. Foi “correspondido”.

Talvez por orientação de assessores, Serra passou a concentrar ataques em Ciro nos últimos dois blocos. Motivo: estava trocando ataques com Garotinho, que está em quarto nas pesquisas de intenção de voto, “esquecendo” de Ciro – isolado em segundo lugar nessas mesmas pesquisas.
Vantagem ou não, Lula acabou sendo poupado do tiroteio verbal. Exceto por Garotinho, o mais provocador do debate, cuja presença no debate só foi confirmada no final da tarde de domingo. O palanque do candidato desabara dois dias antes, no Rio, ferindo 15 pessoas, inclusive ele e sua mulher.