Presos de Bangu 4 teriam oito fuzis escondidos na unidade

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de fevereiro de 2003 as 16:08, por: cdb

A polícia do Rio suspeita que os presos da penitenciária de segurança máxima Bangu 4 (zona oeste do Rio), que se rebelaram no último final de semana, estejam escondendo pelo menos oito fuzis dentro da unidade.

A suspeita surgiu a partir de declarações de um dos três agentes penitenciários feitos reféns no motim, que durou cerca de 16 horas. Ele contou ao titular da 34ª Delegacia de Polícia (Bangu), delegado Leonilson Ribeiro, que, no início da rebelião, os presos tinham em seu poder pelo menos dez fuzis.

No entanto, na hora da rendição, por volta das 13h30 de domingo, os presos entregaram apenas dois fuzis, além de cinco pistolas, uma granada, um carregador, radiotransmissores e estoques.

Na noite do mesmo dia, foi encontrada uma submetralhadora dentro de Bangu 4, o que reforça a suspeita de que mais armas podem estar escondidas no presídio.

O delegado Leonilson Ribeiro disse acreditar que os presos devem ter escondido os fuzis durante as negociações para a libertação dos reféns. Ele não tem dúvidas de que, se for feita uma vistoria na unidade, outras armas serão encontradas.

O nome do agente que fez a denúncia está sendo mantido em sigilo pela Polícia Civil. Ele ganhou uma licença do serviço e prestará depoimento amanhã na 34ª DP.

O chefe do policiamento do complexo penitenciário de Bangu, major PM Dayser Corpas, disse ter recebido informações de que há outras armas em Bangu 4 e que vai realizar operações pente-fino de surpresa na unidade para verificar se é verdade.

“Não descarto a possibilidade de outras armas serem encontradas. Bangu 4 é muito grande, tem 16 galerias, cada uma com 20 celas, e há espaço para esconder as armas”, declarou.

A rebelião em Bangu 4 foi iniciada na noite de sábado e deixou um saldo de um detento morto e seis pessoas feridas, entre elas um agente, que foi baleado no peito.