Preso suspeito de assassinar promotor em Minas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de janeiro de 2002 as 19:39, por: cdb

A Polícia Militar de Minas Gerais prendeu hoje um homem suspeito pelo assassinato do promotor de Justiça Francisco José Lins do Rego Santos, que foi morto a tiros na última sexta-feira, na capital mineira. João Evangelista Carnaval, de 29 anos, foragido da penitenciária Agrícola de Ribeirão das Neves, em Minas Gerais, onde cumpria pena de 22 anos por homicídio e assalto, foi preso na favela do Cafezal, região leste da cidade. O suspeito nega qualquer participação no assassinato. Segundo a PM, as suspeitas de que ele tenha participado do crime surgiram pela semelhança entre João Evangelista e o retrato falado feito pela Polícia Civil, no sábado passado. Contudo, integrantes da força-tarefa, composta pelas polícias Militar, Federal, Civil e o Ministério Público, encarregada das investigações, já haviam admitido que o retrato falado poderia não corresponder à descrição do assassino, já que as testemunhas ouvidas para o fornecimento de dados na confecção do desenho apresentaram diversas contradições durante os depoimentos.

Francisco Lins, de 43 anos, que atuava na Procuradoria de Defesa do Consumidor, foi executado com pelo menos 12 tiros, à luz do dia, numa das mais movimentadas regiões de Belo Horizonte, no bairro Santo Antônio, zona sul da cidade. O crime foi cometido por dois homens que estavam numa motocicleta branca. O autor dos disparos estava na garupa da moto. Entre as diversas investigações coordenadas pelo promotor estavam crimes relacionados à adulteração de combustível, assaltos a bancos, falsificação de remédios, facilitação de fugas e formação de quadrilhas.

Após seis dias de investigações, que vêm sendo mantidas em sigilo, essa é a primeira prisão relacionada com o assassinato, embora ainda sem provas concretas. Evangelista foi detido com outros dois homens – Antônio Dutra, de 29 anos, também fugitivo da penitenciária de Ribeirão das Neves e José Mauro Inocêncio Barbosa, de 39 anos. Os três resistiram à prisão e tentaram fugir. Com os suspeitos, a polícia encontrou duas armas calibre 38.