Presidentes de sete países latinos fundam o Banco do Sul

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 9 de dezembro de 2007 as 17:26, por: cdb

A ata de fundação do Banco do Sul será firmada neste domingo pelos presidentes de sete países da América do Sul. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou no final da tarde à capital argentina para participar da cerimônia, na Casa Rosada, sede do governo argentino. Idealizado pelos presidentes da Venezuela, Hugo Chávez, e da Argentina, Nestor Kirchner, o banco se propõe a financiar projetos de desenvolvimento da região e ser uma alternativa aos atuais organismos financeiros como o Banco Mundial (Bird), o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Além do Brasil, Argentina e Venezuela, integrarão a instituição Uruguai, Paraguai, Bolívia e Equador.

Divergências

Recém-criado, o Banco do Sul ainda é uma “abstração” porque não tem a linha de atuação totalmente definida, afirmou o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda, Luiz Eduardo Melin de Carvalho, em recente entrevista a jornalistas, em Brasília. Segundo Melin, o Banco do Sul deve ajudar a impulsionar a produção nos países da América do Sul, mas deve ter mecanismos distintos dos agentes financeiros já existentes, como Banco Mundial (Bird) e Banco Interamericano para o Desenvolvimento (BID).

– Há um leque bastante amplo de possibilidades – afirmou.

Para o secretário, os sete países que formam o Banco do Sul, Brasil, Argentina, Venezuela, Uruguai, Paraguai, Bolívia e Equador, terão de superar as desigualdades na formação do mercado financeiro. O Brasil é, segundo ele, o país com mercado financeiro mais bem estruturado.

– No restante da região, os mercados financeiros são bastante tímidos e restritos – ressaltou.

Na avaliação de Melin, o Banco do Sul deve funcionar como ferramenta para dar aos países do continente a possibilidade de obter créditos e estruturar iniciativas produtivas que eles hoje não têm.

Depois da cerimônia, a presidente eleita Cristina Kirchner, que assume o comando do país nesta segunda-feira, oferecerá um jantar às autoridades convidadas.