Presidente substitui alto comando militar da Bolívia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 25 de novembro de 2003 as 02:56, por: cdb

O presidente Carlos Mesa substituiu, na última segunda-feira à noite, o alto comando militar das Forças Armadas da Bolívia, seis semanas após a repressão que matou 80 civis e precipitou a queda de seu antecessor, Gonzalo Sánchez de Lozada, em um anúncio feito agora a noite no Palácio Quemado de La Paz.

O almirante Luis Aranda Granado foi designado comandante-em-chefe das Forças Armadas, no lugar do general Roberto Claros, nomeado no final de 2002.
 
– Manteremos a unidade do país como nos pediu o presidente – garantiu Aranda.

O general-de-divisão Lucio Quenallata foi designado chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, o general-de-brigada César López será o comandante do Exército, o general-de-brigada Oscar Arandia chefiará a Força Aérea e o contra-almirante Marco Justiniano comandará a Marinha boliviana.

Formado em escolas militares uruguaias, o novo comandante das Forças Armadas prestou o ‘solene compromisso de defender a independência nacional, a segurança, a estabilidade, a honra e a soberania da Nação, garantindo a estabilidade do governo legítimo’.

Sobre a repressão militar desatada em outubro passado e o clamor da sociedade para que as mortes de civis em La Paz e El Alto sejam esclarecidas, Aranda disse que ‘como militares assumiremos a responsabilidade de defender nosso povo a todo momento, garantindo o respeito a seus direitos mais sagrados’.

O almirante lembrou que os militares ‘são os mais vulneráveis (durante as crises), por sua natureza não deliberante e essencialmente obediente’.

Mesa pediu ‘respeito aos direitos humanos’ e uma aplicação moderada do uso da força, e prometeu respeitar ‘rigorosamente a institucionalidade, observando os méritos pessoais e a hierarquia de cada um na ordem estabelecida dentro da própria constituição das Forças Armadas’.