Presidente húngaro propõe Orban como próximo primeiro-ministro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 28 de abril de 2010 as 10:52, por: cdb

O presidente húngaro, Laszlo Solyom, disse nesta quarta-feira que irá propor Viktor Orban, líder do partido de centro-direita Fidesz, como próximo primeiro-ministro do país e pedirá a ele que forme um governo.

O Fidesz conquistou uma maioria de dois-terços no Parlamento nas eleições realizadas no começo do mês, removendo os socialistas depois de oito anos no poder. Ele havia prometido em sua campanha restaurar a economia, atingida pela recessão, cortar impostos e criar empregos.

– Vou nomear Viktor Orban como primeiro-ministro na sessão inaugural (do Parlamento) – disse Solyom em coletiva de imprensa.

Orban disse: “Eu respondi às perguntas (de Solyom) com um ‘sim’ claro e audível – o que significa que aceitei o pedido e assumirei a responsabilidade com muito prazer.” O Parlamento realizará sua primeira sessão no dia 14 de maio.

O Fidesz esteve no poder pela última vez entre 1998 e 2002. Orban poderá formar o primeiro governo nos 20 anos de história pós-comunista da Hungria que não seja de coalizão e tem dois-terços do mandato.

Esse mandato é forte o suficiente para lançar profundas reformas estruturais e mudar a legislação, inclusive a constituição e as leis eleitorais.

Investidores irão querer em breve ver planos claros por parte do governo sobre como ele pretende cortar impostos e manter a estabilidade fiscal, reduzindo a dívida pública da Hungria, que atualmente corresponde a 80% do PIB.

O Fidesz ainda não revelou planos detalhados de como irá reestruturar o setor de governos locais, atualmente ineficiente, e reformar os sistemas de saúde e educação.

Orban disse que seu governo buscará uma parceria com o Fundo Monetário Internacional e a União Europeia — com quem um acordo financeiro vence em outubro – e convencê-los sobre os planos do partido para impulsionar a economia.

A Hungria, que tem um histórico de déficits excessivos, estabilizou suas finanças com pesados cortes de gastos no ano passado, mas com o mercado observando de perto a trajetória de sua dívida, o novo governo não terá muita espaço de manobra fiscal, disseram analistas.

“Nossa opinião permanece que o Fidesz irá escolher trabalhar com o FMI, mas também reconhecemos um grande nível de incertezas na perspectiva fiscal”, disse em comunicado o Morgan Stanley na segunda-feira.