Presidente do São Paulo já admite saída de Owaldo de Oliveira

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 7 de abril de 2003 as 09:00, por: cdb

O presidente do São Paulo, Marcelo Portugal Gouvêa, admitiu pela primeira vez neste domingo que Oswaldo de Oliveira pode sair.

– Conversei com uns 30 conselheiros depois do jogo, e a maioria mostrou insatisfação com ele. Se ele não estiver conseguindo fazer o seu trabalho, eu entenderia – disse.

Por sua vez, Oswaldo de Oliveira tentou não entrar em polêmica.

– Não vou emitir nenhuma opinião, porque ele (Gouvêa) não me disse nada. Neste momento eu não vou mudar a minha posição – disse o treinador, sem perder a calma.

Por causa da pressão cada vez maior sobre Oswaldo, o time do São Paulo vai ficar em Florianópolis durante toda a semana. Na quarta, o Tricolor enfrenta o Figueirense pela Copa do Brasil. No final de semana, é a vez do jogo contra o Criciúma, pelo Campeonato Brasileiro.

Antes da entrevista de Oswaldo de Oliveira, o clima esquentou nos vestiários do São Paulo.

O zagueiro Jean, que falhou em alguns lances, foi considerado culpado por torcedores que estavam no saguão do estádio e quase foi agredido. Quando se dirigia para o ônibus, Jean foi hostilizado pelos torcedores. Um grupo chegou até a tentar partir para a agressão, mas os seguranças do clube conseguiram contê-lo.

Ao mesmo tempo, o atacante Luís Fabiano tentava ir até o ônibus. Os mesmos torcedores elogiaram o artilheiro, que apenas sorriu constrangido e entrou rapidamente no ônibus.

Pouco depois do incidente com Jean, quando o técnico cruzeirense Vanderlei Luxemburgo se dirigia à saída, alguns torcedores abraçaram o treinador e pediram sua contratação. O apoio ao treinador rival iniciou um conflito entre os próprios torcedores, rapidamente controlado