Presidente do Paquistão pede à China apoio contra Índia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 3 de janeiro de 2002 as 22:04, por: cdb

O presidente do Paquistão, general Pervez Musharraf, visitou Pequim para pedir o apoio da China num possível confronto com a Índia. A China é considerada uma velha aliada militar do Paquistão. No entanto, segundo analistas, o primeiro-ministro chinês, Zhu Rongji, dificilmente deve conceder a Musharraf o apoio que o Paquistão deseja.

As autoridades chinesas já demonstraram preocupação com o crescimento do número de tropas da Índia e do Paquistão na fronteira entre os dois países, e pediram aos dois países que evitem uma guerra. Enquanto isso, o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, iniciou uma visita à Ásia, e fez um apelo para que a Índia e ao Paquistão que se acalmem.

Pervez Musharraf parou na China, quando estava a caminho do Nepal. Ele participa de um encontro regional, que também terá a presença do primeiro-ministro indiano, Atal Behari Vajpaee, que já chegou ao Nepal. O encontro deve ser dominado por discussões sobre a crise envolvendo indianos e paquistaneses.

Segundo informações das agências de notícias, o general Musharraf espera que os chineses lhe dêem apoio militar, no caso de um conflito militar. No entanto, de acordo com estas informações, Pequim vem defendendo que uma solução diplomática seja encontrada, custe o que custar.

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, chegou nesta quinta-feira a Bangladesh, também a caminho da reunião do Nepal. “É extremamente importante, devido ao poderio militar dos dois lados, que façamos tudo o que for possível para acalmar a situação”, disse Blair.

Índia e Paquistão são dois países que detém a tecnologia para a produção de armas nucleares – o que torna a tensão entre eles mais preocupante. “Há, obviamente, o potencial de que o conflito tenha conseqüências para a estabilidade regional e para o mundo”, completou Blair.

Representantes do governo britânico desmentiram as informações de que Blair vai assumir um papel de mediador, dizendo que a visita dele à região já estava prevista.

O primeiro-ministro da Índia disse que “através dos canais diplomáticos estão sendo feitos esforços para evitar a guerra”. “Se eles forem bem sucedidos, não precisaremos recorrer a outros meios”, completou.

No entanto, o ministro do Exterior da Índia, Jaswant Singh, disse que o encontro no Nepal não é a ocasião apropriada para discutir as relações entre Índia e Paquistão. Segundo Singh, o ministro do Exterior do Paquistão, Abdul Sattar, não apresentou nenhuma solicitação para que representantes dos dois países discutam a crise, durante a reunião.